17 de Agosto em Coruche: A noite foi dos Telles, num espetáculo com boas pegas

Pela segunda noite consecutiva, a Praça de Touros de Coruche recebeu uma corrida de touros promovida pela associação Nossa Praça.

A nova gestão do tauródromo da capital do Sorraia decidiu, devido às contingências provocadas pela pandemia, realizar duas corridas, em formato mais reduzido, para assinalar as Festas em Honra de Nossa Senhora do Castelo. Posso dizer que foi uma aposta ganha, pois nas duas corridas registou-se uma boa entrada de público, tendo em conta todas as restrições.

Para esta segunda corrida anunciavam-se os cavaleiros António Ribeiro Telles e António Telles Filho, frente a touros de Lopes branco, Ribeiro Telles, Cunhal Patrício e Vale Sorraia. Para as pegas, os Amadores de Coruche.

Abriu a noite António Ribeiro Telles que começou por lidar um touro de Lopes Branco, que na generalidade cumpriu e permitiu a António realizar uma boa lide, em crescendo. Começou por cravar três ferros compridos, para nos curtos mostrar toda a sua sabedoria e de alto a baixo deixar bons ferros, depois de uma boa colocação do seu oponente.

Seguiu-se o Filho António Telles, que deixou bem patente que, no futuro, vamos ter outro Telles a dar cartas na Tauromaquia. Diante de um touro de Ribeiro Telles, o jovem cavaleiro, que se apresentou na sua terra de casaca, esteve desembaraçado e confiante, conseguindo assim realizar uma lide bem estruturada e presentear o público com bons ferros. É caso para dizer, já aí está o novo Telles!

O terceiro touro da noite, pertencia a Cunhal Patrício, mas ao sair dos curros foi notória uma dificuldade na locomoção, o que fez com que fosse recolhido aos currais. Seguiu o turno e António Telles lidou o Vale Sorraia que iria lidar em quarto lugar. Tanto António como o touro impuseram-se e ambos queriam mandar naquela arena e confesso que me é difícil dizer quem venceu este duelo. Nesta lide, António Telles sofreu uma aparatosa colhida, felizmente sem consequências de maior. Mas posso dizer que esta foi uma lide séria e que fez com que os tendidos estivessem atentos à arena e sempre a pensar o que se iria passar a seguir.

Na lide que encerrou a noite, António Ribeiro Telles lidou o sobrero de Cunhal Patrício, um touro sério e que por vezes complicou o labor do cavaleiro, pois era de meias investidas, mas António puxou dos seus galões, entendeu o touro e deu-lhe a lide acertada. Esteve bem na brega, bem como na execução das sortes.

No que diz respeito às pegas a noite foi rija, tendo sido caras Fábio Casinhas, à primeira tentativa, assim como Tiago Gonçalves, também á primeira, o cabo José Tomás que consumou também à primeira e por fim João Prates que fechou a noite dos forcados, também à primeira tentativa.

Este segundo espetáculo foi dirigido por Manuel Gama, assessorado pelo Médico-Veterinário Carlos Santos, numa noite que resultou agradável.

Termino, tal como ontem a elogiar a associação Nossa Praça que, nesta sua estreia à frente dos destinos da Praça de Touros de Coruche, mostraram profissionalismo e responsabilidade, não só para bem da sua imagem, mas principalmente para bem da Festa. Olé!