Amieira: Tarde de emoções em que venceu Luis Rouxinol jr

A Praça De Touros da Amieira recebeu este sábado, 16 de Setembro, a sua tradicional corrida de touros, um espectáculo que contou com 3/4 de casa e que ultrapassou as três horas de espectáculo.

Foi uma tarde de emoções à flor da pela, principalmente depois dos acontecimentos ocorridos com a rapaziada da jaqueta de ramagens, pois os touros foram duros e causaram muitos problemas aos forcados, havendo mesmo lesões graves.

Passo a falar dos touros em que se anunciavam três Varela Crujo e três Peredas, mas como um Pereda se lesionou nos curros saiu à arena um Luís Rocha, este que saiu pequenote mas a não complicar muito. Os três Varela Crujo estavam bem apresentados, mas com alguns defeitos de córnea, sendo que de comportamento devo dizer que principalmente transmitiram. Os dois touros Pereda estavam imponentes, tinha génio, sendo que o segundo Pereda tinha umas feridas algo peculiares, mas se passou no reconhecimento é porque nada de mal era….

No que concerne as lides a tarde foi de Rouxinol jr, mas já lá vamos.

Luís Rouxinol realizou duas lides bem ao seu estilo. Entendeu e aproveitou bem os touros que tinha frente, destacando-se especialmente no seu segundo, o pequenote Rocha, pois este touro empregava-se mais.

Filipe Gonçalves, realizou duas lides com altos e baixos, em que intercalou o bom toureio e os bonitos adornos com alguns ferros falhados ou descaídos, mas conseguiu estar por cima dos seus oponentes e fazer soar fortes ovações.

Luís Rouxinol jr, foi o triunfador da tarde vencendo o prémio para a melhor lide. Esteve em muito bom plano Rouxinol jr em ambas as lides, mas foi perante o último da noite (Varela Crujo) que mais se evidenciou, fez tudo bem feito, entendeu o touro, colocando-o nos terrenos certos e dando-lhe as distâncias certas.

No que diz respeito aos forcados a tarde não foi famosa, pois era touros imponentes e com génio, o que quer dizer que não permitem erros e eles aconteceram e por isso houve ferido e um deles a temer-se o pior.

Pelos de São Manços foi cara Pedro Fonseca, Nuno Leão que à sua primeira tentativa foi dobrado por Jorge Valadas, que à sua primeira tentativa saiu gravemente ferido e foi dobrado por Pedro Pontes e fechou a actuação deste grupo João Rosmaninho, que à sua primeira foi dobrado por José Quinta, que à segunda tentativa o touro partiu o corno e foi ainda tentado de cernelha como o tempo foi passando sem ser pegado voltaram à pega de caras por intermédio de João Fortunato que tentou por duas vezes.

Pelos Amadores de Monsaraz foram caras Carlos Polme à quarta, Ricardo Cardoso, à primeira e André Mendes, á segunda.

De salientar que estava em disputa o troféu para melhor pega que ficou deserto por decisão do juri.

O espetáculo, que foi antecedido por um minuto de silencio em memória dos dois jovens forcados recentemente falecidos (Pedro Primo e Fernando Quintela), foi dirigido por Agostinhos Borges que foi muito benevolente no que diz respeito ao tempo concedido paras as pegas.

De salientar que em três dias eu vi duas corridas, Moita e agora Amieira, em ambas vi pessoas do público saltarem para a arena e ajudarem nas pegas. Questiono só eu é que vi?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*