“Ao longo destes anos todos temos estado pouco ou nada activos, mas chegou a altura de dizer basta”, diz Rui Fernandes

Como já noticiamos, mais de uma centena de agentes do sector tauromáquico juntaram-se junto à Praça de Touros do Campo Pequeno para se manifestar contra uma discriminação que o sector está a ser alvo por parte do Ministério da Cultura.

Presente esteve o cavaleiro Rui Fernandes, que nas ultimas semanas tem estado muito activo, liderando algumas reuniões entre toureiros que têm ocorrido e também foi um dos toureiros que às primeiras horas desta segunda-feira se acorrentou à principal porta do Campo Pequeno.

O Toureio.pt falou com Rui Fernandes que admitiu que “nestes últimos tempos temos-mos juntado e trocado muitas ideias, mas o que é certo é que ao longo destes anos todos temos estado pouco ou nada activos e temos deixado andar, e o que é certo é que chegou a altura de dizer basta”, acrescentando que “temos de nos juntar e tentar revindicar aquilo que nos pertence e aquilo que temos direito e temos tentado reunir um conjunto de ideias para que consigamos levar isto a bom porto e para que consigamos voltar ter corridas de touros  e que possamos trabalhar.”

Questionado sobre a não abertura das praças de touros e curiosamente um praça de touros vai reabrir para receber outro tipo de espetáculo, Fernandes afirma que “não tem logica nenhuma, será um espetáculo com a presença dos governantes, ou seja, é sermos um alvo de chacota total, já nem sei que adjetivos usar para descrever esta discriminação que não é justa, isto é uma autêntica ditadura.”

Já sobre outras formas de luta, o cavaleiro refere que “estamos aqui reunidos hoje e o que é certo é que estamos neste momento dispostos para estar onde tivermos que estar e queremos lutar por aquilo que nos pertence, por aquilo que temos direito, agora acho que esta discriminação tem de uma vez por todas acabar.”