Segunda-feira, Outubro 3, 2022
Publicidade
InícioCrónicasArronches: Corrida dos 120 anos da Praça de Arronches com pouca história...

Arronches: Corrida dos 120 anos da Praça de Arronches com pouca história…

A castiça praça de touros de Arronches abriu as suas portas no passado dia 21 de Junho, para receber a tradicional corrida de touros integrada nas Festas de São João, no entanto neste espetáculo comemorou-se os 120 anos desta praça.

Para assinalar a efeméride a Presidente Câmara de Arronches entregou uma pequena lembrança a Francisco Romão Tenório, proprietário do tauródromo.

Cerca de três quartos de casa e uma corrida algo enfadonha foi o que se registou nesta noite comemorativa e que diga-se em abono da verdade merecia mais em todos os aspetos.

O cartel estava de certa forma atrativo, um concurso de ganadarias (Cunhal Patrício, Murteira Grave, Paulo Caetano, José Luís Vasconcellos e Sousa D’Andrade, Jorge Mendes e Romão Tenório) com os cavaleiros Luís Rouxinol, Marco José e João Moura Caetano e os Forcados Amadores de Arronches a comemorarem 15 anos de existência.

Tal como já referi esta corrida foi de certa forma enfadonha e é pouca a história para contar.

Abriu a noite Luís Rouxinol que logo de inicio teve de porfiar muito para sacar algo ao Cunhal Patrício, que saiu mansos e que a muito custo saía das suas crenças. Na segunda lide as coisas foram diferentes, pois o cavaleiro de Pegões teve pela frente um bravo touros de José Luís Vasconcellos e Sousa D’Andrade, tendo-o aproveitado da melhor forma. Regular nos cumpridos, sendo nos curtos que o nível subiu com bons ferros, culminando a lide com um ferro de palmo e o habitual par de bandarilhas a duas mãos.

Marco José não teve a sorte que certamente desejaria, pois começou logo por enfrentar um complicado Murteira Grave que pouco permitiu ao ginete. A segunda lide também não teve as facilidades desejadas, pois o Jorge Mendes que enfrentou era manso, de investidas bruscas e sempre com a cara por alto e a que juntarmos dezenas de capotazos mal dados, resultando uma lide esforçada com Marco José a dar tudo de si por sair por cima.

João Moura Caetano começou por lidar um touro da ganadaria de seu Pai, Paulo Caetano. João esteve bem nos compridos, elevando a fasquia nos curtos, isto depois de uma aparatosa colhida sem consequências. Moura Caetano esteve bem na brega, preparando e executando bem as sortes que fizeram soar fortes aplausos. Na segunda lide, perante um Romão Tenório, também esteve em bom plano, com bons ferros e bons momentos de toureio.

No que diz respeito ás pegas a noite não teve muitas facilidades para o Grupo capitaneado por Ricardo Porto Nunes.

Foram solistas Luís Ventura, á terceira, João Rosa, á segunda, Luís Valente, à terceira, Ricardo Martins, que foi dobrado por Luís Faustino, á segunda. Seguiram-se depois Fábio Mileu, á primeira e Manuel Cardoso à segunda.

De salientar que estava em disputa o Troféu Bravura, que foi entregue ao touro de Paulo Caetano e o Troféu Apresentação para o touro de José Luis Vasconcellos e Sousa D?andrade.

O espetáculo foi dirigido pelo Sr. Rogério Joia, assessorado pelo Dr. José Guerra.

Publicidade
Publicidade

Últimas