Badajoz – Pablo e Ventura em ombros

Última corrida da Feira de São João de Badajoz;  um "duelo" Ibérico numa competição entre dois estilos de toureio a cavalo.

Homenagem e reconhecimento especial da Empresa Coso de Badajoz ao Maestro João Moura pela sua triunfante carreira tanto em Portugal como em Espanha.
João Moura brindou a sua lide a todos os colegas de cartel e ao público. Uma lide que começou com música logo no primeiro curto cravado ao piton contrário; ferros de boa nota a um toiro que aguentou a lide, rojão quase inteiro e descabello valeram ao Maestro de Monforte o corte de uma orelha. 
João Moura Jr actuou em segundo lugar; pois actuava ainda esta noite no Montijo;  coube-lhe em sorte o toiro mais pesado da corrida com seiscentos e dois quilos brindando também a sua lide aos companheiros de cartel; uma actuação em que o segundo da dinastia Moura esteve por cima do seu oponente; cravou com valentia a ferragem da ordem, rematando as sortes com especial interesse; meio rojão eficiente; foi premiado com o corte de uma orelha.
Pablo Hermoso de Mendonza brindou a sua actuação ao Maestro João Moura; um toiro que saiu distraído de inicio mas que rapidamente melhorou e investiu;  começou mal com toques e ferros caídos nos primeiros curtos;  crava um quarto de grande nota com lugar para as espectaculares "hermosinas" e escuta grandes aplausos; prossegue em crescendo e termina em bom plano rematando a lide com um rojão certeiro cravado nos médios com o toiro a tombar "sin puntilla" resultado: Duas orelhas e porta grande.
Diego Ventura no seguimento da tarde brindou também a sua lide aos Mouras; com o "Nazarin" levou o toiro toureado a duas pistas a poucos centímetros da cara do oponente,  cita de seguida a um metro do toiro e crava um bom ferro levantando a praça e escutando enormes aplausos;  de seguida cita de largo para cravar no sitio. Toiro e cavalo nos médios e citando novamente em muito curto deixa dois grandes ferros a quiebro;  para de seguida cravar em sorte de "caracoleio" três violinos de palmo. Cortou duas orelhas e assegurou porta grande. 
De Huelva, veio a nova coqueluche do rejoneio Andrés Romero ; brindou também ao Maestro e recebeu à porta gaiola o quinto da tarde;  saiu distraído como os anteriores mas rapidamente ultrapassou este estado;  Andrés optou por lhe cravar apenas um rojão de castigo;  apresentou um toureio arrojado e tremendista principalmente com quiebros e batidas ao piton contrário; numa lide extensa, que veio um pouco a menos na parte final;  cortou uma orelha. 
E como não podia deixar de ser, o mais novo da dinastia Moura brindou a seu pai a última lide da tarde. Miguel Moura andou com desembaraço numa lide fundamentada em ferros com ligeira batida ao piton contrário;  houve também lugar para adornos com a montada a "mordiscar " o toiro. Cortou uma orelha.

Em tarde quente e com meia casa preenchida lidaram-se toiros de Los  Espartales que cumpriram na generalidade.

 

 

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*