Covid-19, a doença que parou tudo, mas nem assim a bolha taurina se quebrou…

O futuro a Deus pertence, foi o que sempre ouvi dizer, no entanto o ser humano tem ao longo dos anos tentado mandar no seu futuro, tentando alterá-lo sempre no sentido de se satisfazer a si próprio, sem nunca pensar na sua Mãe, a natureza.

Ao alimentar o seu ego, o ser humano julgava que conseguia controlar e programar tudo, mas enganou-se, pois apareceu um vírus que fez parar o mundo…

Um vírus que afectou todo o tecido económico e social, e claro a Tauromaquia não escapou a esta crise, não fosse este um dos espectáculos que mais espectadores acolhe em Portugal.

Curiosamente, alguém que dizia em meados de Março que a temporada tinha começado estranha, que parecia adivinhar algo, e pensando bem… estava tudo a ser programado com muita antecedência, como deveria ser, mas não o era até aqui. Se pensarmos bem, no inicio de Março ao analisar a agenda taurina que tínhamos no Toureio.pt, eram quase 100 espectáculos com data agendada, há datas de espectáculo até 1 de Novembro. Este é um facto que deveria acontecer sempre, tudo programado com antecedência… este ano aconteceu… mas… apareceu o vírus e tudo parou.

O novo coronavírus apareceu na China em Novembro ou Dezembro, mas apenas em Janeiro começou a ser falado e em Fevereiro já se falava numa grande epidemia, que já estava a afectar a economia, inclusive comentei com uma pessoa no Dia da Tauromaquia, “tenho de entrevistar o Paulo Pessoa de Carvalho [Presidente da APET] para saber o que pensa do coronavírus e se pode afectar a Tauromaquia”, ao que essa pessoa me disse “Epá, não vale pena, hoje não é o dia ideal e isso não deve cá chegar” e agora que estamos assim, penso, será que eu estava a ver mais além ou desvalorizou-se demasiado este problema?

Após o Dia da Tauromaquia, veio Olivença… ui Olivença… A feira de Olivença que decorreu já com dezenas de casos confirmados na Extremadura. Uma feira taurina que acolhe aficionados de todo o mundo e que certamente foi ali um foco de disseminação da Covid-19 e não estou a especular… inclusive alguns dos casos importados para Portugal poderão ter vindo dessa feira…

E pronto após a Feira de Olivença tudo parou e até agora nem sinais de quando poderá arrancar novamente.

De uma coisa temos todos de ter consciência, nada vai ser como antes e principalmente na organização de espectáculos, mas sobre a organização em si, falarei em breve.

Agora estamos ainda em tempo de confinamento, de incerteza e a luz ao fundo do túnel continua sem aparecer, o que começa a aparecer é a crise económica que vai de certeza ser forte.

O Governo Português, desde a chegada do vírus a Portugal, tem anunciado medidas de apoio para vários sectores da economia, incluindo o sector cultural, no entanto a palavra Tauromaquia ainda não foi uma única vez referida. No entanto a culpa não será só do governo, que já todos sabemos não morrer de amores pela cultura tauromáquica, mas em parte a culpa é também do sector tauromáquico.

Confesso que desde o inicio de Março estou em confinamento e praticamente todas as horas do meu dia é na redacção, com a televisão ligada nos canais noticiosos, onde se fala de Covid-19 praticamente 24 horas por dia, muitos comentadores, muitos analistas, muitos leigos na matéria, mas tanto nestes canais como nos telejornais em canal aberto, vimos sempre muito activos os lideres de praticamente de todos os sectores a reivindicar apoios para fazer face a esta crise e em muitos casos deu resultado, como foi exemplo a Lei do Lay-Off que foi revista pelo menos três vezes, porque os lideres dos sectores não se calaram.

E agora deve estar a perguntar o que quer ele dizer com isto?  É fácil, quero dizer que ainda não vi, nem ouvi nenhum líder do sector tauromáquico vir a publico reivindicar qualquer tipo de apoio! O Toureio.pt realizou um conjunto de entrevistas pelos Presidentes da APET, ANDT e ANGF, mas na sua generalidade foram todos muito optimistas, mas devo referir que contactamos o Presidente da Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide, que supostamente deve ser um dos sectores taurinos mais afectado com esta crise, mas até ao momento nem resposta. Não deixa de ser estranho todo este silêncio do sector tauromáquico, será que não se precisa de apoios? Mas certamente a Prótoiro está nos bastidores a trabalhar nisso, pelo menos é o que costumam dizer quando alguém fala do trabalho da Federação, que não se quer expor as estratégias, porque trabalham nos bastidores, certamente é o que está a acontecer…

Mas pronto, já nem falo em reivindicar ao Governo apoios, falemos de ver na televisão figuras da festa, e digo isto porque, nestes dias a ver todas as televisões e mais alguma, tive oportunidade de ver directos, através do Skype, Zoom e outras plataformas, entrevistas nos jornais de ilustres desconhecidos mas que estão de certa forma ligados a algum sector relatando as realidades, temos visto empresários contando a sua situação e até mesmo muitos artistas de todas as áreas a relatar as suas situações e até mesmo a contar como tem sido estes dias de isolamento e eu volto a perguntar e taurinos? Viram algum? Pois… mais uma vez, nem este vírus conseguiu abrir a bolha em que se fecham os taurinos, que não conseguem “socializar” com o mundo exterior.

Vou voltar a este e outros assunto, mas por hoje já me alonguei, termino apenas dizendo que durante todas estas horas a ver e ouvir noticias, ouvi representante de uma conhecida marca dizer que a tal marca “não podia estar sem comunicar com os seus clientes, porque se estiver sem comunicar mais de 1 mês, perdem-se mais de 2 anos de trabalho”…. Fica esta frase para reflexão…