Covid-19: “A situação é dinâmica e o calendário tauromáquico será gerido de acordo com a evolução da pandemia”, diz Paulo Pessoa de Carvalho

Depois de na passada segunda-feira o Presidente da Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos, nos ter dito que cancelar ou adiar espectáculos tauromáquicos “não foi um cenário que estivesse em cima da mesa até ao momento”, o facto é que durante a semana vários espectáculos foram cancelados ou adiados, na sequência do agravamento das medidas tomadas pela Direcção Geral de Saúde.

Esta sexta-feira, Paulo Pessoa de carvalho vem novamente a publico informar sobre as alterações ao calendário tauromáquico português e explicar o motivo para o cancelamento, adiamento e suspensão dos próximos espectáculos taurinos.

O cuidado com a saúde pública e a responsabilidade social são motivos mais do que suficientes para que sejamos prudentes num momento como este. No entanto, estamos a trabalhar para que os espectáculos taurinos continuem, com as devidas precauções e em novas datas“, afirma Paulo Pessoa de Carvalho – Presidente da APET.

Em Portugal foram cancelados três espectáculos, dois foram adiados e um remarcado.

Foram cancelados os espectáculos em Beja a 14 de Março, Moita a 15 de Março e Alpalhão a 11 de Abril. Foram adiados os espectáculos no Redondo a 4 de Março e Almeirim a 5 de Abril, ainda sem agendamento de novas datas. O espectáculo de Vila Franca de Xira a 29 de Março, também, foi adiado para o final da temporada.

A corrida que foi anunciada para o dia 22 de Março, em Santarém, foi remarcada para o dia 26 de Abril. O cartel será o mesmo: Rui Fernandes, João Ribeiro Telles e Luís Rouxinol Jr.

Relativamente ao festival taurino anunciado até ao final do mês de Março: Chamusca (28 de Março) ainda está em aberto a sua realização.

A situação é dinâmica e o calendário tauromáquico será gerido de acordo com a evolução da pandemia” remata Paulo Pessoa de Carvalho.