Ele há coisas do diabo!…

Há alturas, em que tudo o que parece poder correr mal… corre!

Então o rapaz André Silva, do nosso já conhecido PAN, diz que teve uma visão de futuro que é ver o Campo Pequeno cheio de cultura e cá fora os tauromáquicos todos algemados.

Para saber do agrado dos seus confrades a tão aberrante quadro, lança uma sondagem indagando qual o sentir das gentes, no seu geral.

Então não é que perde a sondagem? !

Os resultados finais da sondagem registam 47% contra a existência de touradas no Campo Pequeno e 53% a favor da existência de touradas, na catedral do toureio.

A visão do senhor deve andar um pouco desfocada. São coisas…!

É certo que o sector da tauromaquia não anda bem visto pelos poderes públicos, mas isso dá-nos mais força para lutar e ganharmos a nossa batalha.

Já houve uma reunião entre as autoridades, IGAC e DGS que no dizer da APET (associação dos empresários tauromáquicos), foi muito produtiva.

Em face destes desenvolvimentos, até já há a possibilidade de se começarem os espectáculos no Alentejo, onde o vírus parece não querer nada com aquelas gentes.

O empresário Luís Miguel Pombeiro diz que a praça da bonita cidade de Estremoz, pode ser a primeira a receber uma corrida de toiros pós COVID – 19.

Hoje, depois de ter recusado receber um barrete de dois forcados que dela se aproximaram em Évora, os jornalistas lá conseguiram retirar algumas palavras da senhora Ministra da “Cultura”, sobre as touradas. Sabe Deus com que custo, a senhora dobrou a língua…

Ficámos a saber o que já sabíamos: da reunião que referimos nos parágrafos anteriores, saíram os fundamentos para a criação de regras, a fim de que se possam iniciar, esta época, os espectáculos tauromáquicos.

Em bom rigor: nada de novo!

Se alguma coisa dá gozo nisto, é que vamos ganhar esta luta a quem mais nos tem desrespeitado; desde o senhor Presidente da República que nos recebe quase envergonhado, ao senhor Primeiro Ministro que se escusa a responder a questões que têm que ver com esta arte, à senhora Ministra da “Cultura” que nem consegue, ou nem quer, pronunciar a palavra touradas e contra os senhores deputados fundamentalistas que nos preferem ver algemados.

Efectivamente, conseguir que as nossas teses vençam as dos supremos magistrados da Nação é obra!

O senhor Presidente da República, com eleições à vista, está num papel de agradar a gregos e a troianos e o senhor Primeiro Ministro não sendo aficionado e não querendo desagradar à sua Ministra, também se depara com um balanço incómodo. É urgente, no entanto, que alguém reconheça o direito das “supostas minorias” que, sobretudo num país livre e democrático, terão sempre de ser respeitadas em todas as suas vertentes, sejam religiosas, políticas ou culturais.

Falta o empurrãozinho final de, como eu dizia aqui há tempo, “erguer a voz e cantar” e bastou que se “cantasse” uma vez junto à nossa Catedral, para que houvesse logo novidades.

Só reagem sobre pressão!

Temos pela frente tempos difíceis, com ventos cruzados que havemos de saber utilizar a nosso favor, para conseguirmos navegar a bom porto mas que vai ser difícil, isso vai!

Segundo as informações correntes, podemos ter voz para largar amarras no dia 15.

Mais uma vez continuamos a esperar…, a tal ”fraqueza de quem é povo”.