Em noite de toureio luso-espanhol, Arena D’Évora esgotou

É do conhecimento geral que no Alentejo a Tauromaquia continua a ter uma grande força e prova disso são as boas entradas de publico em várias praças, mas principalmente quando os cartéis agradam. Público é também o carinho demonstrado pelos Alentejanos a Pablo Hermoso de Mendoza sempre que se desloca a Portugal, mas é também publico a grande admiração dos aficionados ao saudoso Joaquim Bastinhas.  Juntando o cartel, no seu conjunto, estes dois factos que referi, o público correspondeu e lotou por completo a Arena de D’Évora e mais lugares houvesse, mais encheria.

Para esta noite anunciavam-se os cavaleiros Pablo Hermoso de Mendoza, Marcos Bastinhas, Gillermo Hermoso de Mendoza, os Forcados de Évora e São Manços, diante de touros Passanha.

Esta noite ficou ainda marcada pela apresentação em Portugal de Guillermo Hermoso de Mendoza.

Antes da corrida, prestou-se homenagem a Joaquim Bastinhas. Recordar que o cavaleiro elvense tomou alternativa nesta mesma praça, agora intitulada Arena.

Pablo Hermoso de Mendoza desenvolveu duas lides denotando uma extraordinária qualidade de equitação, um bom entendimento do touro, baseada numa brega vistosa e que rapidamente conquistou o público. Sortes bem preparadas, reuniões ajustadas e a rematar com classe No segundo touro a destacar-se pelo cite em levada da sua montada, que agradou ao público, e demonstrando mais uma vez um toureio que fez dele único.

Marcos Bastinhas está numa temporada a todos os níveis épica. A dor da perda do seu maior ídolo, o pai, despoletou em si uma tremenda força de lhe querer tributar em cada corrida uma homenagem, com lides cheias de força, sentimento e garra. Não nos enganemos, Marcos segue a escola de seu pai e acrescenta-lhe um cunho pessoal, quiçá uma vertente técnica mais acentuada comparativamente ao seu progenitor, e até na velocidade que imprime às lides nos remete para as muitas tardes/noites apoteóticas à Bastinhas, Joaquim Bastinhas. Em Évora esteve valoroso diante dos dois touros que lidou. No primeiro, e mesmo colhido sem gravidade, numa vertente mais de raça e de crer, no segundo com mais técnica e Arte. Uma noite em que Marcos voltou a exibir-se em plano muito positivo.

Guillermo deixou bem patente a qualidade que já possui. No primeiro touro esteve irregular, embora melhorando nos curtos, e no segundo esteve francamente bem. Não foi a apresentação idílica mas foi de qualidade assinalável e a garantia de que a dinastia Hermoso de Mendoza está assegurada. Numa região em que o seu pai é aclamado, Guillermo dá os primeiros passos e promete seguir o exemplo…

Diante touros Passanha, que saíram à arena bem apresentados e a dar bom jogo no geral, actuaram ainda os forcados Amadores de Évora e São Manços. Por Évora, foram à cara: Manuel Rovisco, João Madeira e Dinis Caeiro, todos ao primeiro intento. Pelos de São Manços, pegaram Jorge Valadas, João Fortunato e Pedro Galhardo, todos ao segundo intento.

Uma noite de toureio luso-espanhol, distinto de estilos, mas que resultou bem, do agrado ao público.

Corrida dirigida por Domingos Jeremias, assessorado pelo Médico-veterinário Carlos Santana.

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*