Estremoz: Espetáculo agradável em dia de regresso de Cortes à praça da sua terra

Primeira corrida de toiros do Clube de Caçadores de Estremoz, integrada nas festas da Exaltação de Santa Cruz. 
João Moura abriu a tarde brindando a sua lide a José Maldonado Cortes , lidou um toiro da ganadaria Prudêncio que sendo o menos pesado da corrida com quatrocentos e quarenta e cinco quilos ; saiu bravo o que permitiu ao Maestro de Monforte uma boa lide onde não existiram momentos mortos,  ferros de grande nota e ares de toureio Mourista o que é sinónimo de bom toureio. Francisco Graciosa abriu a tarde para o grupo de Santarém com uma pega à primeira tentativa. Volta para cavaleiro e forcado. 
António Teles lidou o segundo da tarde que pertencia à ganadaria de Cunhal Patrício; brindando também a sua lide a José Maldonado Cortes; um toiro que apesar de algo reservado serviu para António Telles lhe sacar uma lide bastante positiva e em crescendo, com o público a tributar-lhe fortes aplausos. João Pedro Sousa executou uma grande pega ao segundo da tarde para os amadores de Alcochete. Volta para cavaleiro e forcado. 
Francisco Maldonado Cortes reapareceu na sua terra, no ano em que comemora vinte anos de alternativa;  brindou também a seus pais e família e também ao público da sua terra; lidou um toiro de Ascenção Vaz que serviu para o toureiro de Estremoz bordar o seu toureio alegre, e que chega facilmente às bancadas;  uma lide com emoção fundamentalmente baseada em ferros ao piton contrário, que lhe valeu os maiores aplausos da tarde. 
Luís Assis e David Romão pegaram de cernelha o terceiro da tarde para os forcados de Santarém. Volta para forcados e cavaleiro.
O quarto toiro da tarde foi também o mais pesado da corrida, pesou quinhentos e oitenta quilos e pertencia à ganadaria de Francisco Romão Tenorio;  um toiro manso que andava a passo e que evidenciou as piores características do encaste Murube desta ganadaria; o que resultou numa lide com pouca história para Moura.
Gonçalo Catalão dos forcados de Alcochete pegou o quarto da tarde à terceira tentativa. Cavaleiro e forcado foram premiados com volta. 
O quinto da tarde pertencia à ganadaria de Torre de Onofre propriedade de João Augusto Moura; um toiro sério e encastado que permitiu ao Maestro da Torrinha uma lide trabalhosa e com valor que foi premiada com volta. Ricardo Moura Tavares pegou o quinto da tarde à segunda tentativa pelos de Santarém. 
O último da tarde foi lidado por Francisco Cortes e pertencia à ganadaria de Canas Vigoroux; cumpriu o astado,  que permitiu a Cortes mais uma lide que veio sempre a crescer, com o público a pedir mais e que fez com que a corrida terminasse em bom plano.  
Depois de brindar ao público Lourenço Barbosa dos amadores de Alcochete pegou o último da tarde apenas à quarta tentativa. 
Três quartos de casa; ainda não foi desta que a praça de Estremoz encheu!  Numa corrida concurso de ganadarias mas onde inexplicavelmente não foram divulgados os prémios bravura nem apresentação. 
Todos os artistas escutaram música pela filarmónica Luzitana de Estremoz a mais antiga do país com cento e setenta e cinco anos. 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*