Moura: Houve festa na feira!

A Praça José Almeida recebeu Nª. Srª. do Carmo e 3/4 fortes de lotação para a sua corrida de feiral anual.

O curro de Alves Inácio saiu bem apresentado (com exceção do estranho segundo da ordem). No que toca a comportamento fizeram jus ao predominante encaste Murube, servindo bem com nobreza nas viagens e acometidas e sem recarregar em demasia. Um ou outro teve alguma tendência para refugio em tábuas, sobretudo na fase final das lides. Serviram bem para os cavaleiros explanarem o trabalho de casa e sobretudo o trabalho com as montadas. Nas pegas foram nobres, impetuosos, mas sem bater em demasia ou com maldade (exceção ao primeiro que pediu mais contas).

João Moura entendeu bem os dois oponentes e puxou da maestria para tirar partido com os recursos que tem. No seu segundo andou bem, com facilidade num toiro cómodo e que transmitia pouco, sortes frontais com o seu cunho compuseram lide agradável. Êxito grande foi no seu primeiro. Lide em crescendo-o e entusiasmou-se como se de principiante se tratasse. Bem a viajar e cravar em curto, bonito e com perfume de outros tempos, enraçou-se quando o toiro quis ir para tábuas e o publico protestou a presença da quadrilha da arena. Cresceu e meteu a praça no bolso e com ambiente "Mourista". Isso levou-o a pedir um ferro de palmo a mais (dadas as defesas que o toiro evidenciava naquela altura) e acabou por prejudicar um final em apoteose, que teria se não tivesse acedido à insistência do Publico. Êxito que apertou os colegas a abrir e aqueceu muito o ambiente.

D. Ventura esteve como peixe na água com os dois que lhe tocaram. Extraordinariamente montado, experiente na relação com o publico e na interpretação do que este quer quando o vai ver. Tem a fórmula montada e com inteligência coleciona triunfos. No primeiro andou em bom plano e com facilidade deu mote para a apoteose. Com o maior da noite, na sua segunda atuação, "escancarou o livro" de domínio de tudo, de colocação da ferragem, remate e sobretudo conhecimento profundo do encaste, dos seus comportamentos e atitudes. É um exemplo de profissionalismo e de capacidade para criar um conceito nos tempos modernos. Triunfou com muita força em Moura. Fica-nos cada vez mais a curiosidade de o ver mais vezes com outros encastes mais exigentes e menos previsíveis. Com a raça, intuição e profissionalismo que tem pode "partir o quadro todo", em absoluto, do toureio a cavalo.

João Moura Jr teve o "contra" de actuar na ressaca dos êxitos de Ventura. Nada fácil mas não o suficiente para o intimidar. Está num belíssimo momento e também ele com conhecimento profundo do encaste. Assinou duas boas atuações, com forte impacto nas bancadas. Bem a mandar nos oponentes, a desenhar as sortes e chegar-se aos toiros e a rematar com brilho. Dois êxitos muito iguais, do mais novo do cartel a dar resposta ao aperto dos mestres. Bem montado e confiado é uma das melhores temporadas da sua carreira, que pôde ser testemunhada em Moura.

O Real GFA Moura teve o mérito de assumir a responsabilidade de pegar seis toiros na sua data tradicional de festa. Mérito que só alguns Grupos vão assumindo e que muitos outros tem forcados que chegam e vão sem fazerem alguma vez uma corrida de seis Toiros.

O mais duro da noite foi o primeiro, quis arrear nas viagens, aprendeu a "tirar a cara" logo na primeira tentativa e tinha pouca "parra". Os restantes foram os típicos murubes, prontos a sair, pelo seu caminho, bruscos a reunir e a empregarem-se nas viagens com pata mas sem bater em demasia. Gonçalo Borges à 4ª, Gonçalo Malato (uma tentativa) foi dobrado por David Carvalho à 1ª, Márcio Zeferino à 2ª, João Cabrita à 2ª, de cernelha Rui Ameixa e Fernando Navas (com intervenção final de Cláudio Pereira a rabejar em emenda ao colega colhido na entrada) à 2ª entrada e fechou à 1ª Cláudio Pereira à primeira. Um pouco mais de acerto nas ajudas e não teriam sido precisas tantas tentativas. Mantem-se o prestigio do "Real".

No intervalo a empresa perpetuou no Páteo de quadrilhas com duas placas alusivas os 40 e 20 anos de alternativa de João Moura e Diego Ventura. O presidente da CM Moura assinalou, também ao intervalo a passagem do 47º aniversario do Real GFA Moura em cerimonia na Arena.

Go to top