Na novilhada da Moita destacou-se João d’Alva

Faz parte integrante da feira da Moita uma novilhada de promoção de novos valores e ainda bem que assim é porque o que mais se notou foi, na verdade, falta de oficio tal como a falta de se verem perante hastados e perante público.

Nos cartazes anunciavam-se dois cavaleiros: Francisco Correia Lopes e Ricardo Cravidão.

Ambos andaram desembaraçados, cravaram a ferragem da ordem mas Cravidão pareceu mais “verde”. Teve um percalço quando ladeava tendo caído cavalo e cavaleiro mas sem danos de maior, concluindo a sua lide. Tem que ter mais a noção de quando deve terminar a actuação.

Por parte dos forcados foram duas pegas sem grande dificuldade, por intermédio de João Gomes e Paulo Matos, embora ambas só se realizassem ao segundo intento, mais por faltar toiro do que vontade do forcado. O grupo comandado por José Maria Bettencourt ajudou bem e as pegas tiveram brilho.

No que aos novilheiros diz respeito, João d’Alva esteve bem, destacando-se dos demais pela sua atitude. Viu-se que tinha mais sítio perante o astado que lhe calhou em sorte, com largo repertório quer no capote, quer na muleta, com séries de naturais lentos e bem rematados e com passes de peito - Bonitos mesmo! Simples e eficaz com as bandarilhas. Foi, sem dúvida, do melhor que se viu nesta noite.

Rui Jardim recebeu o seu oponente com uma larga e bonita afarolada, de seguida lanceou à verónica, rematando com uma rebolera. Ao quite saiu Filipe Martinho algo atrapalhado sem definir o que queria. A lide desenrolou-se com passes por ambos os lados mas sem a profundidade que se pretendia. Esperamos ver esta gente com mais rodagem.

Filipe Martinho trasteou de capote até ao centro da arena mas o novilho não tinha um passe quer no capote, quer na muleta, ficava a meio da viagem destapando o toureiro que nada podia fazer. Não deu para ver o novilheiro brilhar.

Miguel Muñoz recebeu o novilho que lhe calhou em sorte à porta gaiola, com uma larga afarolada de joelhos em terra e foi o melhor que se lhe viu. Durante a lide foi derrubado quatro vezes tendo que recolher à enfermaria a fim de que lhe fosse suturado um golpe numa das mãos.

Esperamos por mais novilhadas que embora com pouco público, talvez ¼ de casa, fazem falta e fazem bem aos artistas.

Foram lidados novilhos gentilmente cedidos pelos ganadeiros Fernandes de Castro, três; Falé Filipe, João Ramalho e Rio Frio, um cada.

Manuel Gama dirigiu o espectáculo.

Go to top