Elvas: Reaparição e triunfo de Joaquim Bastinhas

Praça esgotada na tradicional corrida de São Mateus, em Elvas, que também levava o selo da corrida do Jornal Semanário Olé . Este ano sem a tradicional corrida de Maio e apenas com esta em Setembro juntamente com cartel de pais e filhos, com a aliciante de duas reaparições, resultou nesta grande enchente: Joaquim Bastinhas que reaparece na sua terra depois de duas temporadas de ausência e Paulo Caetano que reaparece também dois anos depois da sua última actuação. João Moura Caetano e Marcos Bastinhas remataram o cartel onde as pegas estiveram a cargo dos Forcados Amadores de Évora e dos Forcados Académicos de Elvas. Toiros de Paulo Caetano para os veteranos e toiros de Herdeiros de Rodolfo André Proença para os jovens.

A noite começou com um brinde, nos médios, de Paulo Caetano a Joaquim Bastinhas. Caetano lidou o primeiro da noite com a maestria que sempre pautou a sua longa e recheada carreira, uma lide templada e cheia de bons momentos a um toiro da sua ganadaria que cumpriu sem grandes alardes.

Marcos Bastinhas teve pela frente um toiro bem apresentado mas escasso de forças, Marcos esteve por cima do seu oponente numa lide que chegou às bancadas.

João Moura Caetano não teve a lide sonhada, faltava toiro no momento da reunião e as passagens em falso foram algumas, cravou ferros de boa nota mas faltou ligação e intensidade à lide. Não deu volta, apesar de lhe ter sido concedida pelo Director de corrida.

Joaquim Bastinhas reaparece com um grande triunfo na sua terra. Recebeu o seu oponente com uma extraordinária porta gaiola para depois levar o toiro na garupa e dobrar-se com ele nos médios, uma lide abrilhantada com a estreia do pasodoble "Joaquim Bastinhas" pela banda do Samouco e que foi pautada por grandes ferros que levantaram o público das bancadas, rematou com um extraordinário par de bandarilhas a passar "pelo corredor" em terrenos apertadíssimos e de grande compromisso. Apeou-se da montada como é sem timbre sendo fortemente aplaudido. Deu duas voltas debaixo de fortes aplausos.

João Moura Caetano esteve bem na sua segunda lide, dois compridos citando de largo e a aguentar a investida, exímio na brega, cites de largo a entrar pelo toiro e a cravar no sítio, termina com três ferros de palmo em sorte de "caracoleio".

Marcos Bastinhas teve uma lide sempre em crescendo no último da corrida, ferros de boa nota numa lide variada rematada com dois pares de bandarilhas.

As pegas estiveram a cargo do grupo de forcados Amadores de Évora sendo cara Miguel Direito e António Torres ambos à primeira tentativa e José Maria Caeiro à segunda. Pelos forcados Académicos de Elvas, António Machado e Gonçalo Machado à primeira tentativa e André Bandeiras à segunda.

De salientar que a noite terminou com todos os artistas em praça.

O espetáculo foi dirigido por Agostinho Borges, assessorado pelo Médico-veterinário José Miguel Guerra.

Go to top