Pablo_Montijo28junho19

Santarém: António Taurino triunfa, no Dia de Portugal, em tarde fria

A Praça de Touros Celestino Graça, em Santarém, recebeu uma corrida de touros no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.

Neste 10 de Junho, estiveram em praça os cavaleiros António Telles, Luis Rouxinol e João Salgueiro da Costa. Os Forcados Amadores de Santarém pegaram em solitário touros da ganadaria de José Luís Vasconcellos e Souza D'Andrade e um de Canas Vigouroux.

António Telles abriu a tarde com uma lide de mais a menos. Dois compridos regulares e dois excelentes curtos, antes de mais duas cravagens curtas após muito labor, algumas passagens em falso e toques na montada. Pegou ao quinto intento, o cabo do grupo de Santarém, João Grave. Volta autorizada apenas para o cavaleiro, que agradeceu apenas nos médios.

Luís Rouxinol, que hoje celebrou 32 anos de alternativa na praça em que a tomou, teve por diante exemplar com 520 Kg. Lide muito boa de Rouxinol. Começou mal com forte toque na montada após descuido. Seguiram-se dois ferros compridos de boa nota e um regular. Nos curtos esteve bem no desenho das sortes e na execução e remate das mesmas. Brega de alto quilate e público agradado. Terminou com par de bandarilhas de boa nota, seguido de palmito em terrenos apertados e de compromisso. Pegou Salvador Almeida ao primeiro intento. Volta para cavaleiro e forcado.

Grande lide de João Salgueiro da Costa ao terceiro touro da tarde. Dois compridos regulares e uma série de curtos de nota elevada, com dois a ser de excelente execução. Uma lide em que deu vantagem ao touro e em que nao deixou créditos em mãos alheias. Lourenço Ribeiro pegou ao segundo intento. Volta para cavaleiro e forcado.

Após intervalo, rega e alisamento da arena, e com o vento a tornar-se desagradável, Telles deu início à segunda parte. Uma lide de classe, mas não perfeita de Telles. Uma maestro em tom sinfónico mas com alguns bites introduzidos por um touro que nem sempre facilitou. Telles soube entender as distâncias, cravar de alto a baixo e desenrolar uma lide de nota positiva. António Taurino pegou ao primeiro intento numa execução de elevada classe, garra e Valentia. Extraordinário momento. Volta para cavaleiro e duas para o forcado.

Luís Rouxinol lidou exemplar da ganadaria Canas Vigouroux. Recebeu o oponente em sorte gaiola mas com o ferro a resultar muito traseiro. Nos curtos esteve irregular e nem sempre soube entender o touro. Uma lide aquém do que Rouxinol sabe. Terminou bem com um bom palmito. Francisco Graciosa pegou ao primeiro intento. Volta para cavaleiro e forcado.

Já perante temperatura gélida e dia a cair, Salgueiro da Costa encerrou as lides, frente a oponente com 515 Kg. Dois compridos regulares mas com bons desenhos das sortes. Na cravagem curta, partiu para uma grande lide com epílogo nos quarto e quinto curtos cravados em terrenos apertados e pisando zona de compromisso. Pegou Rúben Giovetti ao primeiro intento.

Como notas de destaque o facto de a empresa não ter justificado a inserção de um touro da ganadaria Canas Vigouroux na corrida. E António Taurino como triunfador desta corrida. Honrou a arte tão portuguesa de pegar touros, no dia em que se celebra este país: Portugal.

Corrida dirigida por Lourenço Luzio, assessorado por José Luís Cruz.

Go to top