Boa tarde de touros, com casa cheia, em Alcochete

A praça de toiros de Alcochete, em 11 de Agosto de 2019, pelas 18 horas, em tarde de festa, encheu, literalmente, para assistir a uma corrida à portuguesa; o concurso de ganadarias António Manuel Cardoso “ Néné”.

O júri foi composto por Simão Comenda, António José Pinto e Barata Gomes. Estavam em disputa dois prémios: apresentação e bravura que foram atribuídos, ao Canas Vigouroux  que saiu em terceiro lugar,  lidado por Francisco Palha e o de bravura que foi atribuído ao Vinhas lidado em segundo lugar, por João Ribeiro Telles.

As ganadarias a concurso eram, por ordem de saída à praça: Prudêncio com encaste Lafões e Murube – Urquijo, Vinhas com encaste Santacoloma, Canas Vigouroux com encaste Cabral Ascensão e Simão Malta, António Silva com encaste Pinto Barreiros e Parladé e por último Fernandes de Castro com encaste Parladé. Estava também anunciado um de José Palha, também com encaste Parladé. Acontece que este toiro fugiu e não se conseguiu fazer o embarque do mesmo, tendo sido substituído por um segundo Canas Vigouroux que foi lidado por João Ribeiro Telles na segunda parte, em quinto lugar e que não esteve a concurso.

O espectáculo foi dirigido pelo director Ricardo Dias, assessorado pelo veterinário Jorge Moreira da Silva.

Para se enfrentarem com os toiros enviados por estas ganadarias estiveram os cavaleiros Luís Rouxinol, João Ribeiro Telles e Francisco Palha.

Quanto aos forcados tratou-se de uma encerrona para os Amadores de Alcochete, cujo cabo é Nuno Santana.

Os toiros tinham todos mais de 540 kg sendo que três ultrapassavam mesmo os 600, a saber: António Silva com 645, Vinhas com 600, Fernandes de Castro com 625.

Luís Rouxinol abriu a tarde frente ao Prudêncio que como os outros que sairiam a seguir, vinha disposto a dar jogo ao cavaleiro. Com a garra que só ele tem, Rouxinol deu tudo para não deixar nada. Entrou com vigor, despachou sem pressas mas sem mais delongas os ferros compridos e nos curtos recreou-se com quarteios carregando a sorte, umas vezes mais carregadas que outras mas sempre o mais limpo possível. Esteve bem e o público gosta. Termina com um violino e um palmito com o respeitável público no “bolso”.

Este toiro foi pegado por Diogo Timóteo. Ainda o grupo não estava formado, o toiro arrancou, o cara recuou, aguentou e o grupo ajudou a concretizar uma grande pega.

Volta para cavaleiro e forcado.

Para Luís Rouxinol haveria de sair também o mais pesado da corrida, o de António Silva com 645 kg. Desde os ferros compridos que se viu que haveria ali material para brilhar, Luís soube retirar sumo de onde o havia. Entrando por direito, quarteando-se, devagar e sempre bem feito. Bem nas bregas com ladeios e mexendo bem no toiro, mudando-lhe os terrenos, cravando ferros templados, terminando com um palmito e dois pares de bandarilhas, por o primeiro não ter ficado como ele queria. Grande actuação!

Para pegar este toiro “escalou-se” o Cabo, Nuno Santana. Com a praça em silêncio absoluto, foi caminhando lentamente quando o toiro já estava com ele, carrega a sorte ainda longe, provocando a investida. Recua como deve ser e fecha-se no centro da arena. O grupo ajuda superiormente e consuma uma pega à altura de um Cabo.

Volta para cavaleiro e forcado.

Um Vinhas com 600 kg estava nos currais esperando João Ribeiro Telles e este recebeu-o com dois ferros à tira e depois de mudar de montada, desenvolveu uma lide com ferros ao piton contrário, deixando-se ver e entrando quase pelo toiro dentro, deixando no ar o perfume dos triunfos.

Grande lide a um grande toiro.

Este toiro teve pela frente o filho do falecido Nené, António Cardoso. O toiro arrancou-se sem mais aquelas e desviou-se da linha do grupo mas dirigiu-se para as tábuas onde o grupo reuniu e consumou a pega.

Este toiro ganharia o prémio bravura!

Volta para cavaleiro e forcado.

O Canas Vigouroux que não estava a concurso calhou a João Ribeiro Telles. Recebe-o com dois ferros à tira e depois de mudar de montada, com uma brega acertada traz o toiro embebido no cavalo, coloca-o onde quer e em ferros de várias “marcas” desenvolve um toureio que enche o olho ao público, sem enganos, sem rodriguinhos a mais, aproveita o que o toiro tem para dar e dá muito. Em curto, quase sem espaço entre o toiro e as tábuas, provoca a investida de modo que a deslocação do astado lhe dá espaço para passar pelo “corredor”, fazendo com que o público vibre com tais ferros.

Há autêntico alvoroço nas bancadas.

Para pegar este toiro veio o irmão do antigo cabo, Manuel Pinto. Uma pega rija! O toiro arrancou de longe e veio pelo seu caminho, pouco derrotou e passando pelo grupo com força, as ajudas recuperaram e foi uma pega de bandeira.

Duas voltas para cavaleiro e forcado.

Francisco Palha, o mais novo de alternativa, foi o último a entrar em praça. Estava-lhe reservado um Canas Vigouroux que é recebido com um ferro à tira mas no segundo comprido queria surpreender o cavaleiro que valendo-se dos seus recursos, cravou ao piton contrário.

Muda de montada e entra por direito, carregando a sorte sem enganos e ao estribo. Não se acha a gosto com o cavalo e muda novamente de montada. Com este, demonstra arte e alegrando a investida do toiro crava ferros com a propósito, desculpando-se até o falhanço do penúltimo porque o último é uma obra de arte. Bem!

João Machacaz foi o eleito para pegar este Canas que arrancou com ganas, o forcado fechou-se bem, alapou-se, mas o toiro com muita pata foi até às tábuas e bateu com força, volta para trás e só no centro da arena o grupo voltou a reunir-se e a consumar a pega.

Foram atribuídas voltas ao cavaleiro e forcado. Francisco Palha deu a primeira e depois empurrou Machacaz para o centro da arena para que a segunda fosse só para ele. Na sua cara via-se esgar de dor com que o fez. Nem se conseguia baixar para devolver o que lhe mandavam para a arena. Grande forcado e grande pega.

Este toiro ganhou o prémio de apresentação.

Da ganadaria Fernandes de Castro vinha o exemplar que foi lidado em último lugar neste concurso de ganadarias e que viria a ter pela frente Francisco Palha.

Logo nos compridos mostrou o que queria fazer e começou por cravar quando sentia o toiro debaixo do braço e de cima a baixo. Bem na brega, ladeando e aguentando algumas investidas mais impetuosas, contudo sempre com brio, sempre bem preparado, com quarteios limpos e ajustados. No penúltimo ferro esperou uma eternidade que o toiro arrancasse e depois que ele chegasse à sua jurisdição. Foi de parar a respiração, ficando um ferro com emoções ao rubro numa perfeita reunião ao estribo.

João Belmonte efectuou uma pega rijíssima à segunda tentativa com uma soberba primeira ajuda de João Rei.

Duas voltas para cavaleiro e forcado sendo que a segunda foi partilhada, merecidamente, por João Rei.

Alter 24 de agosto19
Go to top