Badajoz: Lancho e Maravillas em ombros, numa tarde de pouca sorte para Pedrito

Puerta Grande foi o pasodoble escolhido para o "passeillo" da primeira corrida de toiros da Feira de São João de Badajoz.

Um cartel com dois pacenses e um português numa corrida que se podia chamar a corrida das oportunidades.

Pedrito de Portugal lidou o primeiro da tarde que poucas hipóteses de brilho deu ao diestro português, veio-me à memória a corrida da sua alternativa com a praça completamente cheia e eu no tendido de sol, ainda recordo os aplausos dessa tarde a Pedrito de Portugal, esta sexta-feira, no tendido de sol podíamos contar as pessoas, eram cerca de setenta, a comparação artística não se mede pela mesma bitola, ficou o temple de Pedrito absolutamente inconfundível, mas sem toiro...

Israel Lancho foi a porta gaiola receber o seu primeiro, e pelo gesto recebeu os primeiros aplausos da tarde, duas verónicas, uma chicuelina e remate com uma revolera, fizeram soar os primeiros olés da tarde.

Lancho aproveitou as francas e nobres investidas do segundo da tarde, que apesar de pouca força serviu para uma boa faena por ambos os pitons que valeu os toureiro da terra o primeiro troféu da Feira.

Posada de Maravilhas entrou neste cartel pela via da substituição do mexicano Luís David Adame colhido no passado fim-de-semana em Istres. Posada apresentou-se na sua praça "montera en mano", não teve sorte com o astado que teve pela frente e depois de o receber por vistosas verónicas, teve uma faena onde os melhores momentos foram conseguidos com a mão esquerda. Foi silenciado.

Pedrito de Portugal foi aplaudido no seu segundo, grande início de faena com duas séries de muletazos onde se pôde apreciar o Pedrito de outros tempos, cedo ficou sem toiro, sacando todas as investidas, mas faltando um pouco de emoção para ter redondeado.

Mais uma vez Israel Lancho se foi à porta gaiola, e recebeu com uma larga afarolada o quinto toiro da tarde que se chamava "Sunami", uma faena tremendista e que chegou forte às bancadas e que valeu ao toureiro pacense o corte de uma orelha com petição de segunda valendo-lhe a saída em ombros pela porta grande.

O último da tarde foi lidado por Posada de Maravilhas, um castanho claro de nome "Pecador" que permitiu ao jovem toureiro da terra o corte de duas orelhas e saída em ombros, um prémio exagerado para uma faena de mérito, estocada em sorte contrária de enorme valor e efeito.

Justos de apresentação e comportamento os toiros da ganadaria Lagunajanda, numa tarde com pouco público, onde os portugueses, depois de tantos anos a criticarem a não presença de artistas nacionais na feira de Badajoz, este ano faltaram em peso....

Go to top