Cartel estrela da temporada no Campo Pequeno resulta em pouco mais que nada!

A Praça de Touros do Campo Pequeno acolheu está quinta-feira, 5 de Julho, o seu cartel estrela desta temporada.

João Telles Jr, a cavalo, e Morante de lá Puebla e José Maria Manzanares, a pé, perante touros de Ribeiro Telles e Paulo Caetano, respectivamente. Pegaram os Forcados do Aposento da Chamusca.

Antes da corrida foi prestada homenagem a Curro Romero.

João Telles Jr recebeu o seu primeiro oponente à porta dos curros. Desenvolveu uma lide irregular com várias passagens em falso. Contudo, teve momentos de grande 'toreria' e ferros que chegaram ao conclave. A pega foi executada à primeira tentativa pelo Aposento da Chamusca, através de João Rui Salgueiro.

Morante foi arte e subtileza na lide do seu primeiro touro. Bem no capote, foi na muleta que proporcionou as suas melhores séries ao som dos "Ole" que provinham das bancadas do taurodromo lisboeta. A segunda série, pelo piton esquerdo, merece destaque, tal como o andamento imprimido à lide, onde os pormenores imperaram. Não deu volta, embora autorizada, tendo apenas saudado o público.

José Maria Manzanares teve um oponente que não facilitou em nada o labor do toureiro. Valeu o esforço de Manzanares em tentar ‘sacar’ o que o oponente não tinha. Um esforço que merecia maior reconhecimento do público. Tentou ligar passes, tentou um luzimento que parecia impossível. Não lhe foi autorizada volta.

 

João Ribeiro Telles Jr teve uma segunda lide de excelente nota. Uma lide sempre de elevada qualidade, quer na brega, cuja ligação ao oponente foi uma constante, quer na escolha dos terrenos, na cravagem, no remate das sortes, em suma na estética e conceito imprimidos no seu toureio. Esteve, também, muito comunicativo com o público. Francisco Andrade, pelo Aposento da Chamusca, pegou à quarta tentativa.

Morante bem se esforçou, no quinto touro da corrida, mas nada, ou muito pouco, conseguiu tirar do seu oponente. Na memória, ficam umas verónicas, pouco mais que nada. Sem matéria-prima, Morante não brilhou.

Manzanares abreviou a sua última lide. O pouco trapio do touro fez soltar um coro e assobios, vaias e criticas do público. Um ambiente horrível para quem na arena tentava cumprir a sua função.

A empresa do Campo Pequeno anunciou então a saída de um sobrero que seria lidado em duo por Morante e Manzanares. Mas esta lide a duo apenas existiu no capote. Na muleta houve Morante sem grande brilho, novamente. Uma corrida que foi de mais a menos e que deixou os aficionados nada satisfeitos.

 

Recordamos que este era o cartel estrela da temporada lisboeta e o resultado é claramente negativo. O que esperar das próximas nocturnas no Campo Pequeno? Irá o público aderir aos restantes cartéis? Resposta a ser dada já dia 19 deste mês.

Go to top