“Também têm que sair os touros duros para nos colocar a prova e nos testar”, diz Pablo Hermoso de Mendoza após a atuação no Campo Pequeno (c/som)

A Praça de Touros do Campo Pequeno recebeu esta quinta-feira, 6 de Setembro, uma corrida de touros à portuguesa na qual se comemorou os vinte anos de alternativa de Rui Fernandes , com um cartel composto por João Moura, Pablo Hermoso de Mendoza e Rui Fernandes perante um curro de toiros de António Charrua. Pegas a cargo dos Forcados Amadores de Évora e Alcochete.

No final o Toureio.pt falou com o rejoneador espanhol Pablo Hermoso de Mendoza, que analisou a sua actuação, dizendo que a sua primeira lide foi “uma lide onde pude sentir, onde pude recriar-me e demonstrar o toureio que as pessoas querem ver, com arte, puro… O toureio que eu aprendi aqui em Portugal e que quero manter com essas bases de classicismo e de ‘toreria’. No segundo também foi importante porque assim é a festa e assim são os touros. Também têm que sair os touros duros para nos colocar a prova e nos testar, demonstrando que temos qualidade e os cavalos postos para dar a volta. Ver os momentos em que o cavalo e o touro reuniram, muito difíceis e duros, e no final sai por cima do touro e pude fazer coisas bonitas.”

Já sobre a sua temporada 2018 em Portugal, Pablo refere que foi “muito bonita. Já em Maio tinha corrido bem com duas lides fenomenais. Não digo que esta é a minha praça favorita porque se um dia me retiro, quero vir aqui todos os anos para me sentir toureiro e para sentir esta essência, que não se sente em nenhum outro sitio.”

 

Go to top