São comemorações “de nível nacional, que projectam a Chamusca. A Praça merece ser acarinhada.”, diz Provedor da Misericórdia (c/som)

A Santa Casa da Misericórdia da Chamusca, proprietária da praça de touros local, apresentou esta quinta-feira o conjunto de actividades que irá realizar para comemorar os 100 anos do tauródromo chamusquense.

Um programa que se inicia já no próximo dia 6 de Abril, com um festival taurino, e se prolongará até dezembro.

O Toureio.pt esteve na apresentação do programa e falou com o Provedor da Misericórdia da Chamusca, Nuno Castelão, que explicou que para se programar este conjunto de actividades “teve que se juntar muitas vontades, fechar, conseguir e trazer para que várias entidades se pudessem juntar neste objectivo comum. Não foi difícil.”

Nuno Castelão salientou que “todas as pessoas têm uma vontade grande naquilo que é a cultura taurina, estamos localizados, como é referenciado, Chamusca no Coração do Ribatejo, e de facto é a nossa cultura, a cultura do Ribatejo. E portanto quando assim é, tudo se torna mais fácil. Foi uma questão de convidar, de nos juntarmos em duas ou três sessões nas quais tivemos oportunidade de trocar várias opiniões, e vários projectos foram colocados em cima da mesa.”

Sobre os projectos colocados em cima da mesa, o Provedor refere que “foram seleccionados estes porque senão tornava-se maçador e enfadonho mais do que isto mesmo assim já estamos com um leque extremamente elevado de actividades. E acho que não foi difícil. Quando temos objectivos comuns e sentimentos comuns tudo se torna mais fácil.”

Instado sobre a integração neste programa de várias artes e tradições em volta da Tauromaquia, Nuno Castelão salienta que “temos a literatura, a música, a tauromaquia, o interesse pela Chamusca, o interesse pelo conhecimento daquilo que é a Chamusca, a projecção que a Chamusca também pode ter e tirar partido e que a sua população pode tirar partido desta projecção. Não só da cultura mas também economicamente, pode tirar essa vantagem.”

Queremos envolver a Chamusca nesta celebração, neste evento, neste centenário, para que também o povo da Chamusca possa tirar esse partido. É uma comunhão de vários interesses, de várias áreas, e não só, longe disso, questões puramente taurinas. É a nossa cultura, é o cerne que vai unir todas as outras mas não é a única e daí tornar mais belo todo este programa”, acrescentou ainda Nuno Castelão.

Questionado se estas são as comemorações que a praça da Chamusca merecia, o Provedor da Misericórdia afirma que “são as possíveis, havia muito mais ideias e gente com ideias fantásticas que podiam ser aproveitadas. Estas foram aquelas que pareceram adequadas. Queremos que sejam boas, de nível nacional, que possam projectar a Chamusca. A Praça merece ser acarinhada.”

 

- Recorde aqui as programação apresentada

Go to top