O Colete Encarnado é “qualquer coisa que é difícil de explicar, só vivendo”, diz Autarca de Vila Franca de Xira (c/som)

Decorreu na passada quinta-feira, no Celeiro da Patriarcal, em Vila Franca de Xira, a apresentação à imprensa das festas do Colete Encarnado.

Nos dias 05, 06 e 07 de julho, a música, a tauromaquia e as tradições ribatejanas estarão em pleno auge em Vila Franca de Xira.

O Toureio.pt marcou presença e falou com o Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, que começou por dizer que o Colete Encarnado, é a celebração da “identidade e da tradição, daquilo que é feito há 87 anos e que nós gostamos muito de preservar”, acrescentando que estes festejos são “de facto defender a afirmação da Tauromaquia, da Festa Brava, nesta ligação entre a lezíria, o cavalo, o toiro bravo, os forcados, os ganadeIros, os toureiros, os cavaleiros, de maneira que é um momento de encontro e de afirmação que vamos ter novamente no primeiro fim-de-semana de julho.”

O autarca destaca as “esperas, os reencontros, sendo um momento de confraternização com a sardinha assada com um copo de vinho, pela noite fora, e é qualquer coisa que é difícil de explicar, só vivendo.”

Alberto Mesquita, salientou que no Colete Encarnado “aquilo que é manifestamente o momento de grande emoção, que é a homenagem ao nosso campino, é a parte fundamental do Colete Encarnado”, homenageando-se “a cultura ribatejana, sem dúvida nenhuma, que está assente nesta figura ímpar, que é o campino.”

Questionado sobre o investimento do Município nestas festas, o edil referiu que “são algumas centenas de milhares de euros, mas eu acho que têm todo o sentido, porque estamos a promover o concelho, estamos a atrair pessoas, estamos a movimentar a economia local e que são muitos milhares de pessoas que vêm até aqui e que consomem e que estão cá. O investimento que fazemos eu digo que é um bom investimento.”

 

 

Go to top