“Há muitos jogos de interesse e nós não temos nada para dar em troca apenas um grupo de jovens que quer pegar”, diz Cabo dos Forcados de Vila Franca (c/som)

À margem da corrida realizada no passado domingo em Vila Franca de Xira, o cabo dos Forcados Amadores de Vila Franca, Ricardo Castelo, lamentou o facto de realizar poucas corridas devido ao facto de haver “muitos grupos, há muitas jogadas de bastidores e não é fácil”, acrescentando que “há muitos jogos de interesse e nós não temos nada para dar em troca apenas um grupo de jovens que quer pegar touros e que se entrega a isto com paixão. É difícil superar-se.”

Ricardo Castelo diz ainda que “nós vemos que os melhores grupos e os que andam num bom momento, não são os que mais pegam. E isso justifica muito destas coisas.”

Questionado se já denunciou alguma dessas jogadas na Assembleia Geral da Associação Nacional de Grupos de Forcados, Ricardo Castelo afirma que “é difícil fazer algo numa assembleia da ANGF, porque os empresários tomam estas decisões por interesses empresariais, por isso é difícil contornar isto. Mas esta é a minha 20º época e lembro-me, havia menos grupos, havia mais corridas, tenho a certeza, havia mais desmontáveis, e os grupos rodavam muito mais, que é importante nesta actividade: haver muito contacto e muita rotatividade nos forcados. Para estarmos mais confiados e à vontade perante os touros.”

 

Go to top