“O Primeiro-Ministro já percebeu que atacar a tauromaquia não é um tema rentável politicamente”, diz Helder Milheiro (c/som)

Na passada semana a Tauromaquia conseguiu uma vitória assinalável no Parlamento Português, nomeadamente a manutenção da isenção de IVA para os Toureiros, a rejeição da proposta que proibia os subsídios à criação de reses bravas e ainda a descida do IVA para os espetáculos tauromáquicos. Várias propostas que incidiam no espetáculo tauromáquico e que tinham como finalidade terminar com esta cultura.

Neste sentido o Toureio.pt falou com o Secretário-geral da Prótoiro, Helder Milheiro que começou por referir que “desta vez o confronto que existiu sobre o tema tauromáquico foi ao mais alto nível, estamos a falar da Ministra da Cultura e do próprio governo, que incluíram no Orçamento de Estado várias medidas discriminatórias da cultura tauromáquica, e felizmente o sector teve uma reacção forte, unida”, acrescentando também que “socialmente também alguma reacção de defesa da liberdade, em alguns casos da tauromaquia, mesmo de quem não gosta da festa dos touros viu-se muita gente defender a liberdade da cultura, porque é assim que tem de ser num estado democrático”, concluindo que “como balanço não podíamos estar mais satisfeitos, porque foi respeitada a cultura tauromáquica, foi respeitada a lei e foi respeitada a liberdade cultural em Portugal. E isso é o que importa destacar.”

Questionado se já haveria alguma reação ao pedido de demissão da Ministra da Cultura, pedido feito pela Prótoiro, Helder Milheiro afirma que “directamente não. Também não era expectável. O que é relevante é que praticamente, neste momento, 10 mil pessoas assinaram a petição e a petição teve um papel muito importante no escalar deste tema em termos mediáticos. Por isso, ela cumpriu o seu objectivo e estamos satisfeitos com o seu resultado”, já sobre a demissão em concreto o dirigente diz “que a incompetência que demonstrou será o seu calcanhar de Aquiles no seu futuro no governo.”

Sobre se a Ministra da Cultura seria um testa de ferro do Primeiro-Ministro, Helder Milheiro responde que “o Primeiro-Ministro veio defender a ministra porque tinha de o fazer. (…) O Primeiro-Ministro não podia ter quatro ministros da cultura em quatro anos,” acrescentando que “o Primeiro-Ministro já percebeu que atacar a tauromaquia não é um tema rentável politicamente, e que por outro, a tauromaquia socialmente tem um valor e uma reacção muito forte. Não vejo que o Partido Socialista veja como bom caminho o que se sucedeu com este Orçamento de Estado.”

 

Go to top