Imprimir

A praça de toiros de Santarém cumpriu a tradição da corrida do dia de Portugal, este ano sem o “apodo” de feira, visto a parte taurina que integra a feira de Santarém se viu reduzida apenas e só a uma única corrida de toiros; que ainda assim, e apesar de se cumprir data histórica para o Grupo de Forcados da terra, a praça registou apenas cerca de meia entrada; o que se calhar veio a dar razão ao empresário não ter optado pela confecção de mais cartéis.

A tarde histórica, como já referimos para os Forcados Amadores de Santarém, tinha a ver com a mudança de Cabo do Grupo centenário e também o mais antigo do país; Diogo Sepúlveda passou o testemunho a João Grave; ambos efectivaram as suas, última e primeira pega de cabo á primeira tentativa.

Luis Sepúlveda, João Brito e António Goes também pegaram todos ao primeiro intento; apenas Lourenço Ribeiro pegou o seu toiro á segunda tentativa.

Na parte a cavalo Rui Fernandes foi o triunfador da tarde; no seu primeiro teve que ser o cavaleiro a colocar aquilo que o toiro não tinha tendo terminado a lide com nota positiva; no seu segundo esteve bem melhor e aproveitou bem o toiro que teve pela frente oferecendo uma actuação que chegou forte ás bancadas.

Luis Rouxinol que cumpria neste dia vinte e nove anos de alternativa nesta mesma praça; não teve sorte com o primeiro do seu lote, um toiro sem emoção que não permitiu grande luzimento ao cavaleiro de Pegões; no seu segundo teve melhor toiro e brindou todos os presentes com actuação positiva.

João Telles Jr teve no seu primeiro uma atuação que começou bem mas que depois veio a esfriar por motivo de o toiro não ter correspondido; no seu segundo também andou de forma intermitente sem nunca ter redondeado.

O curro de toiros pertencia á ganadaria Passanha que como sempre estava bem apresentado; quanto ao comportamento verdade que nunca comprometeram nem o espectáculo nem os artistas, mas faltou aquela pitada de emoção.