João Anão acusa Francisco Penedo de agressão. Penedo afirma que “não admito que faltem ao respeito a uma figura do toureio”

O conhecido coudeleiro e apoderado, João Anão Madureira acusa Francisco Penedo, apoderado de Luís Rouxinol, de o ter agredido no Coliseu de Redondo, na passada sexta-feira (5 de Outubro).

João Madureira, escreveu na sua página de Facebook que “no intervalo da corrida da minha terra fui brutalmente agredido pelo Sr Francisco Penedo, apoderado do Luís, acompanhado no acto pelo Luís André conhecido no meio por Rouxinol JR, filho do Luís. Claro está que como sabem eu não sou de violência e fiquei estupefacto com o acto.

No mesmo escrito, público, Anão Madureira relata ainda que “perguntava-me o GNR de serviço "Não quer que eu identifique os agressores? " a minha resposta foi, não vale a pena calculo que a partir de hoje nunca mais dormem descansados para mim chega!”

{loadmodule mod_dchtml,PUBTOP (2)}

Ainda nesta publicação no facebook, João Anão deixa a hipótese de deixar a função de apoderado, dizendo que “claro está que tudo na vida tem consequências, eu não posso continuar a ser apoderado tauromáquico de ninguém, não quero pertencer a uma classe que tem nela pessoas como o Penedo. Mas continuarei por cá a dizer o que sinto, é um direito que me assiste e do qual não abdico.

O Coudeleiro relata ainda outras situações onde, segundo ele, o cavaleiro Luis Rouxinol se ter negado a tourear com uma cavaleira que a seu tempo Anão apoderava, a cavaleira Joana Andrade.

{loadmodule mod_dchtml,PUBTOP (2)}

O Toureio.pt contactou Francisco Penedo, que nos prestou umas breves declarações dizendo que “gostaria de não alimentar estas atitudes e muito menos falar sobre elas. Apenas lhe digo que somos pessoas da festa mas, não admito que faltem ao respeito a uma figura do toureio que anda há mais de trinta anos sempre com a maior dignidade, humildade e respeito”, acrescentando que “não expulsa colegas, nem ganadeiras e com um enorme respeito pelo público. E não vem um sr, que também tem as suas responsabilidades da mesma, escrever o que nada corresponde à verdade. Apenas exijo respeito. E acaba aqui”.

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*