Luís Capucha alerta para a “perda de rendimentos dos aficionados, porque isto não é uma festa para ricos” (C/Vídeo)

Com a chegada da Covid-19 toda a economia praticamente parou e o sector tauromáquico não foi excepção. Desde Março que foram adiados ou cancelados todos os espectáculos tauromáquicos pelo menos até Junho.

Neste sector muitos são os profissionais afectados por esta crise, no entanto também o aficionado sai bastante prejudicado pois vê-se privado de ter acesso a uma área cultural.

Nas últimas semanas temos assistido a várias propostas lançadas pela Prótoiro para apoio à retoma da actividade tauromáquica.

O Toureio.pt, em parceria com o site Infocul.pt, falou com Luís Capucha, Presidente da Associação das Tertúlias Tauromáquicas de Portugal que comentou toda a situação que está a ser vivida, tendo criticado o Governo que “tem tentado marginalizar a tauromaquia na sequência de uma lógica, que é de todo inaceitável”, acrescentando que “a Ministra da Cultura, que por razões puramente ideológicas, por razões de seita, por razões que só desilustram o cargo que ocupa, entendem que como eles não gostam, os portugueses não podem usufruir das corrida de touros”.

Sobre a crise económica que também afecta o sector tauromáquico Luís Capucha salienta que “há que considerar a perda de rendimentos dos aficionados, porque isto não é uma festa para ricos, por isso há que ter em atenção ao bolso das pessoas”.

Já sobre as mais recentes polémicas no seio da Tauromaquia, Luís Capucha é explicito citando um provérbio antigo “em casa onde não há pão, todos ralham, sem ninguém ter razão”, principalmente se forem pouco inteligentes, inventar divisões num momento destes é a pior coisa que nós podemos fazer à festa”, tendo comentado ainda o trabalho da imprensa nesta situação dizendo que “há quem goste de alimentar polémicas, porque a sua mediocridade sempre levou a que nunca fizessem outra coisa se não alimentar polémicas”.

Já sobre o projecto que há uns anos atrás obteve financiamento do Orçamento Participativo, Luís Capucha adianta que “o projecto está há dois anos a ser executado no Instituto Universitário de Lisboa e devo dizer que gostaria de ter tido mais colaboração por parte dos toureiros, ganaderos, empresários”, revelando que “no fim deste mês ou do mês que vem, estará preparada a candidatura da tauromaquia a património cultural de Portugal”.

Fique de seguida com a entrevista em vídeo com Luís Capucha: