Moura: Na primeira corrida depois da alternativa Miguel Moura deu nas vistas

Em dia de Festa de Nossa Senhora do Carmo as bancadas da praça de toiros de Moura quase se encheram para presenciar a parte taurina dos festejos. O dia era de festa também para o nosso site, dez anos passados desde o seu inicio desta caminhada em que estamos com a garra de como se estivéssemos agora a começar. Também a ganadaria do Eng. Joaquim Grave cumpre este ano setenta anos de existência, não quis a Empresa Verdadeira Festa deixar passar esta data em claro e terminadas as cortesias descerrou uma lápide no pátio de quadrilhas onde fica imortalizada a memória destes setenta anos de bravura.

António Ribeiro Telles abriu a corrida lidando o primeiro Grave e mostrando o seu tradicional classicismo sem contudo romper; cravou com correcção e alegria e aproveitou da melhor maneira as parcas investidas do oponente. O segundo que lidou não lhe ofereceu facilidades e resultou numa lide com altos e baixos, com ferros curtos algo traseiros e consentindo alguns toques na montada, a melhor nota fica para o curto com que terminou a sua lide.

Vitor Ribeiro teve também uma primeira lide um pouco desacertada, com altos e baixos e inclusivamente também com alguns toques na montada; o segundo que lhe coube em sorte e depois de o ter brindado ao Maestro João Moura, foi lidado de forma bastante toureira e correcta que agradou bastante ao respeitável.

Miguel Moura o mais recente Cavaleiro de alternativa e também o mais jovem toureiro da casa Moura deixou bem patente nesta corrida o seu enorme valor; primeiro como ficou demonstrado no seu primeiro que cedo se fechou em tábuas e onde Miguel lhe teve que cravar os ferros na sua grande maioria a sesgo, deixou bem vincado que tem argumentos mais que suficientes para todo tipo de toiros; no que fechou a corrida apareceu o triunfo e a raça de uma séria promessa; um toiro que pedia contas, lidado com uma brega Mourista pisando terrenos de grande compromisso e cravando como mandam as regras; levantou o púbico pala primeira vez esta noite e escutou os maiores aplausos; foi a única lide da noite em que o público exigiu mais ferros a que Miguel prontamente acedeu cravando três ferros de palmo que serviram para selar o único triunfo da noite deste jovem de Monforte que fica para a história como o primeiro triunfo de cavaleiro de alternativa profissional; desejamos e acreditamos fortemente que seja o primeiro de muitos.

Os toiros da ganadaria Grave bem apresentados não complicaram mas também não saíram com a bravura habitual, destaque para o lidado em quinto lugar.

As pegas estavam a cargo do Grupo de Forcados de Èvora onde foram caras Ricardo Sousa á segunda tentativa; Dinis Caeiro que efectivou a pega da noite passando por todo o grupo e aguentando com braços de ferro as fortes investidas do toiro, o jovem Gonçalo Rovisco apenas concretizou com enorme valentia á terceira tentativa.

O Real Grupo de Forcados de Moura triunfou em casa com três boas pegas á primeira tentativas por intermédio de João Cabrita, Rui Branquinho e Rui Ameixa.  

 

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*