Mourão: Em noite de oportunidade aos jovens, foram os forcados que brilharam

Ir a Mourão faz sempre lembrar o início da temporada, um dia em que se renovam esperanças para mais uma época, mas neste caso fomos a Mourão, em Agosto para assistir a uma espetáculo de variedades taurinas em que se deu oportunidade a quatro novas esperanças do toureio a cavalo.

No cartel anunciavam-se quatro touros de Suzete Dias para Andreia Oliveira, José Moreira, Ulrich Hammel e Paco Nieves, estando as pegas a cargo dos Amadores de São Manços, Moura, Académicos de Elvas e Póvoa de São Miguel.

A noite estava agradável e o público compareceu preenchendo quase ¾ de casa, o que para o espetáculo desta tipologia foi muito bom.

Os touros de Suzete Dias, saíram à arena bem apresentados e mansos, excetuando-se o primeiro que permitiu um pouco mais.

Abriu a noite a cavaleira praticante Andreia Oliveira, que denota evolução de espetáculo para espetáculo. Em Mourão aproveitou da melhor forma o oponente que teve pela frente, ligando-se com ele e deixando bons ferros

Seguiu-se José Moreira que não teve tarefa fácil pois teve pela frente um touro que estava pouco interessado na luta e que “destapou” um pouco a verdura do jovem cavaleiro, este que ainda assim não virou a cara à luta e a custo deixou a ferragem da ordem.

Ulrich Hammel, veio do Canadá encontrar um touro complicado, que passou toda lide a tentar encontrar um buraco para fugir e quando o cavaleiro se preparava para cravar a ferragem era o touro que fazia um câmbio e saía literalmente da sorte, um manso daqueles que é raro sair à praça.

A fechar a noite Paco Nieves, que não teve tarefa fácil, pois pela frente teve um touro que também não queria luta, apenas tinha a intensão de fugir, mas Paco conseguiu dar-lhe a volta e deixar a ferragem da ordem.

Nota positiva para estes quatro jovens, Andreia porque aproveitou as boas condições o oponente e os restantes três porque não se intimidaram pelas complicações que os oponentes lhe apresentaram.

Nas pegas a noite foi de grandes pegas! Se os touros pouco se mexeram nas lides, pelo desinteresse na luta, nas pegas empurravam com brutalidade de forma a fugir e ver-se livre do forcado que tinha na cara.

Pelos Amadores de São Manços, foi cara Arménio Reis, à primeira, tendo saído lesionado, pelo Real Grupo de Moura, José Santana, à primeira, esta que foi uma pega que há muito não se via, o forcado aguentou a forte investida do touro fechando-se à barbela e de lá não mais saiu, fazendo praticamente uma volta à arena na cara do touro a uma grande velocidade, fazendo com que o publico se levantasse das bancadas e no final o tenha premiado com duas voltas á arena. Pegou ainda António Patrício e Tiago Mimoso, numa rija cernelha, pelos Académicos de Elvas e pelos Amadores da Póvoa de São Miguel, Rui Reis, à primeira tentativa.

O espetáculo foi dirigido pelo Sr. Tiago Tavares, assessorado pelo Dr. Matias Guilherme, numa noite que até resultou entretida, tendo no intrevado ocorrido uma atuação de um grupo de sevilhanas "Sangre Y Arena".

 

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*