“Não sabem… leem meia dúzia de livros mal lidos e depois decidem assim, é uma pena”, diz Joaquim Grave (c/som)

A Praça de Touros de Mourão recebeu, este sábado, o primeiro espectáculo taurino da temporada portuguesa.

No final do festival o Toureio.pt falou com o promotor deste espetáculo, o Dr. Joaquim Grave, que nesta tarde esteve ainda como ganadeiro.

Joaquim Grave começou por fazer o balanço do festejo enquanto promotor, dizendo que “como promotor não posso estar mais satisfeito, apesar de sentir uma grande tristeza ao ver pessoas ficar de fora, porque é sempre triste, mas a praça é pequena. Penso que foi êxito nesse aspecto, o público correspondeu muito bem nesse aspecto.”

Já sobre a nível ganadero, referiu que “estou muito satisfeito, houve novilhos francamente bons, foi pena o veterinário e o Director de Corrida não entenderem aquilo que têm de perceber, mas é assim.”

Sobre as palavras de desagrado dirigidas ao Director de Corrida, quando um dos seus novilhos foi recolhido, Joaquim Grave explica o seu desagrado dizendo que “ele está com um critério de Madrid, ele não sabe esperar, ele não sabe o que é que custa criar um touro no campo, não sabem… leem meia dúzia de livros mal lidos e depois decidem assim, é uma pena”, acrescentando que “de resto fiquei muito satisfeito com três novilhos a pé, o primeiro do Cid, do Juan Leal e o do Juanito, o outro menos e o que foi para dentro também me parece que seria bom. Os de cavalo foram os dois bons, o primeiro foi suavon, com muita classe e o último um bocadinho diferente mas também proporcionou o êxito, eu acho que estou muito satisfeito com o resultado artístico do festival.”

Já sobre a situação entre Manuel Telles Bastos e o Director de Corrida, Joaquim Grave é duro nas suas palavras e diz que “foi lamentável,  foi má educação do Manuel Ribeiro Telles, foi lamentável e pronto são surpresas que nós levamos, (…) e quem tem medo desta maneira meta-se a bis para o sacerdote que não leva cornadas com certeza.”