“Não se pode confundir uma pessoa com um setor que envolve uma grande fatia da sociedade portuguesa”, diz Protoiro sobre o caso João Moura

Três dias depois de ter vindo a publico o caso dos cães do cavaleiro João Moura, a Prótoiro reagiu e utilizando praticamente as mesmas palavras da Associação Nacional de Toureiros e pede para separar atitudes pessoais da actividade profissional, dizendo mesmo que “Qualquer tentativa de ligação entre os alegados comportamentos em causa, com a tauromaquia, toureiros e aficionados é abusiva e é de má-fé.”

Abaixo, o comunicado na íntegra:

“A ProToiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia, enquanto representante oficial do setor da tauromaquia portuguesa, vem por este meio esclarecer a opinião pública relativamente à polémica em torno do cavaleiro tauromáquico João Moura:

A ProToiro, repudia qualquer ato ilegal que se comprove ter sido cometido pelo cavaleiro tauromáquico João Moura.

A ProToiro reconhece a carreira excecional conseguida pelo cavaleiro tauromáquico João Moura, mas não se pode confundir uma pessoa com um setor que envolve uma grande fatia da sociedade portuguesa, entre profissionais e aficionados. Agora deve aguardar-se o funcionamento da justiça.

Qualquer tentativa de ligação entre os alegados comportamentos em causa, com a tauromaquia, toureiros e aficionados é abusiva e é de má-fé.”