Domingo, Novembro 27, 2022
Publicidade
InícioNotíciasAlcácer do Sal: O Magistério de Luis!

Alcácer do Sal: O Magistério de Luis!

A corrida da Feira Nova 2017 em Alcácer do Sal fez recordar a solera e ambiente típico de anos idos na localidade e na mesma data. Gente do Alentejo e Ribatejo, aficionados ao toureio à antiga e sobretudo ao Toiro. Não foi o suficiente para encher mais de meia-casa forte (3/4 à vista) mas percebeu-se que o anunciar de Toiros Miura e Grave foi o mote para a deslocação de muitos. Este é o segredo, que se deixou cair! Quando se anunciam ganadarias que se associam a comportamentos de exigência mas com condições de lide que transmitem, o público responde. Não vale a pena inventar. Só assim se promove a festa! E os que com eles conseguirem estar bem!

Dispares de apresentação os Miuras, foram cómodos sem complicar em demasia, mas tinham o que tourear. Bom superior o primeiro de Zahariche, de elevada nobreza, sempre pronto, arrancava-se de qualquer sitio para lutar, com tranco e alegria, de principio a fim. Faltou a sorte de varas para o carimbo de bravo. Mais reservados e medidores os restantes.

Os Graves foram mais homogéneos de apresentação, de comportamento díspar, mais colaborante o primeiro apesar de não humilhar, complicado o segundo e ficamos numa incógnita em relação ao ultimo, que nos pareceu ser o mais encastado dos saídos de Galeana e poderia ter vindo a mais, se lidado de outra forma.

João Moura continua a ter o seu carisma pelas bandas da Princesa do Sado. Percebeu-se isso durante a tarde. Diligente e fácil a contornar as dificuldades que foram aparecendo na lide do primeiro, compôs de forma limpa a abertura de praça. No seu segundo arrimou a receber sozinho de frente para os curros um Miura, em sorte executada com limpeza. No mesmo registo da sua primeira lide assinou uma passagem digna, sem grandes alardes, em plano de toureiro veterano.

Dignidade profissional, empenho, inteligência em praça, domínio das situações e capacidade artística para entender o que tem por diante e dar a volta, perante o pressuposto de que cada toiro tem a sua lide, caracterizam a tarde de Luis Rouxinol. Aproveitou muito bem o tal bom de Miura, não inventou e adaptou-se às investidas francas, que o toiro tinha. Deixou três curtos a papel químico, a esperar e a cravar cingido de alto-a-baixo, depois de o estudar e perceber que alí era o toiro que ia definir a lide. No seu segundo, complicado a fugir para tábuas e a defender-se, porfiou para lhe entrar nos terrenos e deixar a ferragem, fê-lo com limpeza e inteligência, até que venceu a batalha e já com o toiro entregue pode rematar ao estilo mais popular que granjeia o sol, a sombra tinha sido granjeada antes. Grande tarde de Luis Rouxinol em Alcácer do Sal.

Sempre de tricórnio posto, recto que nem um prego e raramente indo com as duas mãos às rédeas, Francisco Núncio Jr trouxe o perfume clássico que aquele público sabe valorizar e era bastante o que estava para o ver. A pouca experiencia, que só os anos e os Toiros toureados podem trazer, condicionou a tarde do bisneto do califa, sobretudo no seu segundo em que nunca se acoplou verdadeiramente à casta do Grave, porfiou dignamente para lhe dar a volta e só no final se confiou mais e teve os melhores momentos da ultima actuação. No seu primeiro esteve magnifico a parar o Miura, mostrou ao que vinha e a espaços entusiasmou com ferros bem preparados, cravados com critério e no sítio. Não deslustrou a entrada entre Veteranos, caiu bem no público…o caminho faz-se assim mesmo.

Nas pegas duas realidades opostas no “eterno derby”. Nem sempre as execuções técnicas foram as melhores em ambas formações, os toiros não foram iguais quanto ao nível de exigência para a pega, mas as prestações também não foram iguais quanto a desempenho global. O saldo de 13 tentativas e nenhuma volta dada para Santarém e 3 tentativas com volta para os caras de Montemor, mostra a realidade da tarde para cada um dos Grupos. Por Santarém João Grave à 6ª, Salvador Ribeiro de Almeida à 3ª e Manuel Murteira à 4ª. Por Montemor João da Camara, Francisco Barreto e Francisco Borges, todos à 1ª.

Dirigiu Pedro Reinhardt acessoardo pela Dr.ª Ana Gomes, uma corrida sem problemas de maior, com ambiente e a que a direcção de corrida poderia ter ajudado se desse mais cedo musica, em algumas ocasiões…

Embolação e ferragem de Bruno Lopes e abrilhantou a Banda S.F.A. Visconde de Alcácer “Calceteira”.

Publicidade
Publicidade

Últimas