Terça-feira, Setembro 27, 2022
Publicidade
InícioCrónicasParabéns Valentes Forcados de Portalegre

Parabéns Valentes Forcados de Portalegre

Dizia um dos antigos elementos do Grupo de Portalegre (José Júlio Salgado) que se encontrava fardado na trincheira: “È bom sentir-mos que já não fazemos falta!” Uma frase pessoal que noutro contexto pareceria depreciativa; mas neste quer dizer:  A valentia perdura ! E foi assim, toda esta noite de festa, e de triunfo da forcadagem Portalegrense: O primeiro brinde ao céu, certamente a recordar os que já lá estão e que honraram a jaqueta; Belacorça e Matias foram duas estrelas que brilharam ainda mais esta noite.
O silêncio foi “maestrante” na hora de “bater o pé” aos bravos de Veiga Teixeira; todas sem excepção, tanto tentativas (três) como pegas (quatro á primeira) foram de valentia, de emoção, de hino á nobre arte de pegar toiros, estes, que sempre se arrancaram e empurraram de forma arrepiante tiveram pela frente forcados de barba rija: André Neves, Alexandre Lopes, Ricardo Almeida, António Cary que brindou ao grande Amigo do grupo Dr Gomes Esteves que mesmo em noite de festa teve que intervir e mais uma vez pela triste história das bandarilhas que já fizeram vitimas neste grupo e ontem novamente com o forcado Guilherme Caldeira a sentir isso mesmo na pele. Nélson Batista é um dos grandes caras da actualidade e ontem provou mais uma vez isso mesmo executando a pega da noite; todas poderiam ter sido. Fechou o cabo com chave de ouro ao toiro mais pesado da corrida e depois de um emocionante brinde a todos os seus homens. Parabéns valentes Forcados de Portalegre!
Outro dos triunfadores da noite foi António J. Veiga Teixeira, com um grande curro de toiros; apenas o primeiro se meteu de “fava” todos os outros foram bravos, terminaram sempre em grande, arrancando-se com prontidão e bravura inclusivamente como já referimos chegaram ás pegas com investidas de cortar a respiração. Ah já me estava a esquecer, o quinto “foi de corda!” Mas só para o retirar da arena, pois na lide empregou-se com bravura.
Joaquim Bastinhas lidou a tal “fava” que abriu a corrida, ao qual o cavaleiro de Elvas depois de intermináveis voltas ao astado lá lhe conseguiu cravar alguns ferros, não deu volta. No capote investia e humilhava com classe, cavalo nem vê-lo.
Francisco Cortes levantou as bancadas e chegou ao público com uma lide alegre como é seu apanágio; arriscou bastante e deixou ferros de boa nota, ganhou o prémio em disputa para a melhor lide a cavalo que tem o nome de Cláudia Almeida  e que tinha como júri o Grupo de Forcados de Portalegre.
Sónia Matias que substituía João Moura, andou um pouco irregular nos compridos, mas depois na lide dos curtos a coisa acertou e deixou bons momentos de toureio, sempre pautados pela excelente cumplicidade que tem com o respeitável.
Moura Caetano lidou com a sua habitual toureria, primeiro nos compridos com o Zidane com o qual cravou o segundo comprido citando de praça a praça, reunindo e cravando nos médios; nos curtos cravou com a elegância habitual e rematou com o Sete cravando um bom ferro de palmo.
João Maria Branco recebeu o seu oponente dobrando-se espectacularmente; agarrou logo o público e teve uma das lides que mais chegou ás bancadas; confiou-se e arriscou com um toiro que arreava bem forte; deixou ferros de boa nota e mostrou mais uma vez que vai no bom caminho.
O praticante Rui Guerra toureou o mais pesado da corrida com 620 quilos; aproveitando da melhor forma as nobres investidas desta impressionante estampa, não destoou em nada dos seus colegas de cartel já doutorados, mostrou valentia e uma enorme certeza e segurança na hora de cravar, pisou terrenos de compromisso, arriscou e as coisas saíram-lhe bem, este é o caminho!
O público encheu em quase três quartos a praça Portalegrense numa noite de festa bonita e emocionante de homenagem aos valentes forcados da sua Terra.
 

Publicidade
Publicidade

Últimas