Poderio de Perera e valentia de Fortes, abrem a porte grande de Badajoz

Miguel Angel Perera abriu a feira de São João de Badajoz lidando "Nigeriano", um toiro da ganadaria de Daniel Ruiz que foi assobiado no arraste depois de uma faena sem transmissão do toureiro Extremenho. Silêncio.

Alejandro Talavante apresentou-se na sua terra, depois de no dia anterior ter aberto a porta grande da feira de "las hogueras" em Alicante, onde cortou duas orelhas. Abreviou, e de que maneira, a faena do seu primeiro; depois de o receber com uma série de passes ajudados por alto; rematou sem mais, uma faena que se esperava aborrecida. Desacerto grande na hora de entrar a matar e bronca monumental.

Jimenez Fortes apresentava-se em Badajoz "montera em mano" um mês e meio depois da grave cornada sofrida em Las Ventas; a disposição é enorme e sem mais, vai-se à porta gaiola; sofre tremendo susto felizmente sem consequências de maior com o toiro a ir por ele; ouviu os primeiros oles da tarde depois de um quite à verónica e um por chicuelinas e tafalleras. Brinda ao público a faena de muleta; começando com duas boas séries de muletazos com o toiro a humilhar; o público reconheceu a disposição do artista numa faena em que esteve por cima do seu oponente que pouco transmitiu; mata de estocada e descabello depois de um aviso e corta a primeira orelha da feira.

Miguel Angel Perera recebeu por verónicas de joelhos o seu segundo, escutando fortes aplausos; houve lugar ainda para um quite por "gaoneras" nos médios. Também nos médios, iniciou por estatutários a faena de muleta; o poderio de Perera ficou mais que demonstrado numa faena mandona onde pregou um "arrimon" dos tais que colocou a praça em pé; encontrou osso na primeira estocada, mata à segunda "sin puntilla" e corta duas orelhas.

O colorau saído em quinto lugar serviu para Talavante cortar uma orelha e fazer as pazes com o seu público; uma faena de menos a mais, terminando com uma boa série de naturais e rubricada com "manoletinas".

O último da corrida era um "jabonero" que como todos os outros pertencia à ganadaria de Daniel Ruiz; foi devolvido e saiu um sobrero com quatrocentos e setenta e cinco quilos, o toiro com menos peso da corrida; mas a história não ficou por aqui;  a acusar falta de força desde início foi em bandarilhas que terminou. Saiu um sobrero de Luís Algarra com quinhentos e sessenta e oito quilos; este sim o toiro mais pesado e mais bem apresentado da corrida. Uma faena que iniciou bem, mas a falta de recorrido e transmissão do astado não deixaram que chegasse às bancadas, houve ainda assim bons momentos de toureio e uma indiscutível disposição do toureiro em agradar; foi premiado com o corte de uma orelha acompanhando Miguel Angel Perera na saída pela porta grande.

 

Para ver

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*