Domingo, Novembro 27, 2022
Publicidade
InícioEntrevistasReações à corrida de Coruche: “Está aqui um cartel para repetir mais...

Reações à corrida de Coruche: “Está aqui um cartel para repetir mais vezes, oxalá os empresários tenham essa vontade” (c/som)

Coruche recebeu este domingo um mano-a-mano entre Francisco Palha e Luis Rouxinol Jr, perante touros da ganadaria Palha.

No final falámos com os intervenientes nesta corrida, para obter uma reação sobre este espetáculo.

Em declarações ao Toureio.pt, o empresário Caros Travassos, da empresa De Caras Tauromaquia, foi sucinto mas demonstrou satisfação com o resultado do espectáculo.

“Um balanço muito positivo, acho que os touros cumpriram, a rapaziada das jaquetas têm estado enormes e os cavaleiros estiveram belíssimos” começou por referir, antes de destacar que “é essa a nossa aposta, a nossa aposta é o touro-touro, o touro de verdade e vamos continuar assim”, quando questionado se este tipo de corridas fazia falta à festa.

Abordou as duas próximas corridas em Coruche, “é isso que vai acontecer no dia 17 de Agosto e também no dia 7 de Julho, em que vamos fazer uma corrida de gala à antiga portuguesa, nocturna, e já temos cartel…vamos divulgar em breve”.

Francisco Palha, que este domingo repartiu cartel mano a mano com Luís Rouxinol Jr, fez um balanço positivo, em declarações ao Toureio.pt, sobre a corrida de Coruche.

“Eu achar não posso achar muito. Quem tem que achar é o público e vocês, como é óbvio, mas eu vou contente. E chegar a Coruche e estrear aqui, hoje, um ou dois cavalos novos e consegui, não ter as três lides sonhadas, mas a mim enquanto toureiro, fazer coisas importantes, coisas que acho importantes fazer, e enquanto toureiro conseguir colocar em prática um tipo de toureio que eu sinto e no fundo devemos fazer aquilo que sentimos porque só assim conseguimos levar a água ao nosso moinho” começou por dizer quando questionado sobre o que pensava das suas actuações.

Já sobre a importância dos touros que dão emoção à festa e valorizam o triunfo dos cavaleiros, voltou a afirmar, como já o tinha feito anteriormente, que “eu penso que sim, vou muito contente, em especial com a segunda actuação, teve um inicio e um final bastante positivo para mim e com esta última actuação que teve duas fases, uma mais junto ao touro e outra com ele a atacar. Vou muito contente, hoje, daqui”.

Luis Rouxinol Jr. era um homem satisfeito no final da corrida de Coruche, como o revelou em declarações ao Toureio.pt

“Como já referi foi uma corrida bastante dura, mas penso que é uma corrida de fazer aficionados, saíram touros duros mas penso que estive por cima de todos eles, o meu segundo touro foi um touro mais complicado mas destaco a minha primeira actuação e esta última, penso que foram duas actuações bastante boas. Provei hoje aqui que quero ser uma figura do toureio” começou por dizer, mostrando vontade de repetir este cartel noutras praças, pois “foi um mano a mano bastante aliciante, penso que o público correspondeu, penso que está aqui um cartel para repetir mais vezes, oxalá os empresários tenham essa vontade e fiquei satisfeito com as minhas prestações aqui, hoje, em Coruche”. Quanto à questão de os novos cavaleiros não levarem público às praças, disse que “penso que é um estigma colocado por muitos, penso que quando as corridas têm o touro de verdade, estão bem rematadas e com condições, como foi o caso aqui hoje em Coruche, estão reunidas todas as condições para o público corresponder”.

Pedro Maria Gomes, cabo do Grupo de Forcados Amadores de Lisboa, fez um balanço pouco positivo para o seu grupo, na corrida de Coruche.

“Não foi a actuação que desejávamos, pelo menos que ambicionávamos. No primeiro touro era um touro que estava reservado para a pega, é verdade, tanto na primeira como na segunda tentativa defendia-se na reunião com um corno e depois na terceira o João devia ter encurtado mais distâncias com o touro para o touro não colocar essa dificuldade na pega. Acabámos por pegar à quarta já com os ajudas em cima do touro mas o João acabou também por entender o touro e o touro acabou por se acobardar. Na segunda pega, a mim dá ideia que o touro se defende, também, no momento da reunião com um corno, mas quem está aqui de lado diz que o forcado se adiantou, eu não vi. Na segunda fez uma pega normal, esteve bem e o touro também se acabou por acobardar. Na terceira, era o touro maior mas também o mais voluntarioso tanto na lide como na pega e não nos criou dificuldade, é verdade, mas aí já o forcado da cara esteve bem, coisa que os outros não estiveram, e os ajudas também corresponderam bem”, explicando assim pega a pega o que correu bem e menos bem.

O cabo José Tomás, do Grupo de Forcados Amadores de Coruche, mostrou-se bastante satisfeito com o seu grupo na corrida deste domingo na praça da terra natal, jogando, assim, em casa.

“Penso que foi um enorme triunfo, os touros eram exigentes e o mais que não seja pelo nome metem qualquer forcado apreensivo e penso que respondemos bem e estivemos à altura. Fizemos algumas pegas bastante vistosas, frente a um touro Palha estreámos um novo forcado da cara, o Fábio Cabecinhas que esteve correctíssimo e além de ter estado correcto esteve muito valente porque o touro derrotou bastante, esteve dentro da cara, fora da cara, e penso que isso deu muita emoção à corrida. E agora este sobrero é sempre algo que coloca alguma ansiedade aqui no grupo, mas foi o João Prates, forcado figura desta temporada, que ainda está no inicio mas para nós muito intensa, e o João Prates fez duas grandes pegas, na primeira os ajudas não conseguiram estar com eficácia, porque os touros também não facilitaram, e à segunda ele com a mesma calma, serenidade e garra que lhe é característica arranca um pegão e aí sim com valentes e eficazes ajudas. Saímos daqui com um balanço positivo e para mim é um triunfo”, disse em declarações ao Toureio.pt.

 

Publicidade
Publicidade

Últimas