Salvaterra de Magos: Ventura triunfou na Tourada Real

 A Praça de Touros de Salvaterra de Magos recebeu esta sexta-feira, 26 de Julho, uma recriação da Tourada Real, na qual marcou presença Dom Duarte Pio, chefe da casa de Bragança. 

Em praça os cavaleiros Ana Batista e Francisco Palha e o rejoeneador luso-espanhol Diego Ventura. Frente a touros da ganadaria Alves Inácio, actuaram ainda os Forcados Amadores de Vila Franca de Xira e Alcochete. 

Antes da corrida, Dom Duarte Pio, Isabel de Heredia, Infante Dom Afonso, Infanta Maria Francisca e Infante Dom João Dinis desceram a arena para cumprimentar todos os intervenientes do espectáculo. 

 

Lides: Ventura triunfa, Ana esteve enorme no segundo touro e Palha com bons momentos…

Ana Batista abriu a noite com uma lide em que demorou a entender o touro, inicialmente, que lhe pedia lide em curto e dobrando-se com ele. A partir do momento em que acertou distâncias, desenvolveu uma lide de ligação, em curto, e a cravar com rigor. Uma lide que não tem nota mais alta devido a um forte toque inicial na montada e a algumas passagens em falso. Terminou com um bom palmito, após boa série na cravagem curta. 

A segunda lide começa em plano inferior com várias passagens em falso na cravagem comprida. Na cravagem curta esteve em plano superior, sortes desenhadas de frente, abrindo quarteio e reunindo ajustadamente. Inteligente ao terminar em plano superior, recusando cravar mais um ferro. Lide de menos a mais, atingindo bons momentos de classe.

Diego Ventura com uma primeira lide bastante positiva. Iniciou com sorte gaiola, seguindo-se mais um comprido, sem qualquer preparação da sorte. Na cravagem curta, esteve em muito bom nível. Com temple, percebendo e medindo bem as distâncias e optando em cravar com fortes e marcadas batidas ao piton contrário e resultando em sortes ajustadas. Lide muito apreciada pelo público. 

Recebeu o seu segundo touro de novo em sorte gaiola, que não resultou. Dobrou-se bem com o touro e o segundo comprido é de muitos quilates no desenho, cravagem e remate da sorte. 

Nos curtos, montando Nazari, começou com mais um grande ferro, numa reunião ajustada. O segundo curto resultou em toque na montada. Ventura demonstrou um domínio perfeito das suas montadas, com uma brega pujante e vistosa, enchendo a cara do touro com as montadas enquanto este o perseguuia. Já montado no Guadalquivir, crava mais dois curtos de boa nota. Culminou a lide, montando o Dólar, cravando dois pares de bandarilhas com a montada sem cabeçada. O segundo é de soberba execução. Ventura a mostrar o porquê de ser considerado líder do toureio a cavalo, na actualidade. 

Francisco Palha começou muito mal a sua primeira lide, ao terceiro touro da corrida. Os ferros compridos resultaram mal, com toque na montada e passagens em falso. O primeiro curto é à Palha e no remate da sorte, levando o touro no encalce da montada, levantou o público. Seguiram-se mais dois curtos de excelente nota, o quarto é de muito má nota e resultou descaído e culmina a actuação mais um bom ferro. Uma actuação soluçante mas positiva, capaz do melhor e pior. 

Na lide que encerrou a noite, ao sexto touro, Francisco Palha esteve em muito bom plano. Começou a lide, na acepção da palavra, logo nos compridos e foi evoluindo qualitativamente a cada ferro. Desenho das sortes em curto, de frente e de alto a baixo, em ferros com emoção. À Palha. Está a regressar ao nível de qualidade que se lhe reconhece. 

Pegas:

Vila Franca de Xira: Pedro Silva (terceira tentativa); João Luz (primeira tentativa apoteótica e poderosa); João Matos (primeira tentativa numa boa execução). 

Alcochete: João Machacaz (primeira tentativa); Diogo Fortes (grande pega à primeira tentativa); Manuel Pinto (primeira tentativa).

Uma noite com muito boas pegas por parte dos dois grupos de forcados, numa verdadeira demonstração da arte de pegar touros.

 

Touros

A ganadaria Alves Inácio data de 2009 e está situada no Monte Cunha, em Benavente. José Alves Inácio além da ganadaria tem uma coudelaria com a mesma denominação. A ganadaria formou-se através da compra de vacas com ferro e divisa Coimbra Barbosa, com procedência Montalvo, tendo posteriormente aumentado o efectivo com vacas e sementais António Ordónez “Antoñete”, de procedência Murube-Urquijo, linha que se mantém na actualidade como base da propriedade.

 

Um curro de touros de apreciável apresentação, para esta praça, o quarto a destacar-se pela cara harmoniosa e o quinto a permitir chamada do ganadeiro à arena. Pela negativa, o primeiro da corrida, quer em apresentação quer em transmissão.

 

 

Direcção de Corrida:

Corrida dirigida por Lourenço Luzio, assessorado por José Luís Cruz

 

Lotação:

Próxima da lotação esgotada.

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*