Domingo, Novembro 27, 2022
Publicidade
InícioCrónicasSanta Eulália: Tarde quente numa corrida de gala que resultou agradável

Santa Eulália: Tarde quente numa corrida de gala que resultou agradável

Santa Eulália corrida de gala à antiga Portuguesa na comemoração dos 120 anos da praça de toiros local.

Abriu a tarde o maestro João Moura perante um astado escasso de forças onde teve que ser o Moura a meter aquilo que o toiro não tinha; ferros de boa nota numa atuação positiva do maestro de Monforte. A primeira pega da tarde foi executada sem problemas por Afonso Mata dos forcados amadores de Évora.

Joaquim Bastinhas com grande cartel nesta terra esteve por cima do seu oponente numa lide que agradou bastante ao público presente e que praticamente enchia a castiça praça Alentejana; Bastinhas rubricou a sua lide com o tradicional par de bandarilhas; apeou-se da montada no final da atuação e recebeu fortes aplausos nos médios.

João Bandeiras dos forcados académicos de Elvas executou a segunda pega da tarde à primeira tentativa.

Rui Salvador lidou um novilho toiro de escassa apresentação; cravou a ferragem da ordem numa lide que pautou pela regularidade. Paulo Cardoso dos forcados amadores de Monsaraz pegou à segunda tentativa o terceiro da tarde.

A segunda parte da corrida abriu com a cavaleira Sónia Matias; lidou um astado fraco de forças ao qual desenvolveu uma lide de menos a mais, terminando em bom plano com o famoso cavalo "Atrevido" com o qual cravou dois violinos conseguindo animar as bancadas. Gonçalo Pires e Manuel Rovisco dos amadores de Évora executaram uma grande pega de cernelha ao quarto da tarde.

Em grande plano esteve o cavaleiro Pedro Salvador que lidou o melhor toiro da tarde; uma lide sem tempos mortos, pisando sempre terrenos de compromisso, cravando ferros de boa nota e chegando forte às bancadas; um cavaleiro tremendista que arrisca e que merecia mais oportunidades dos nossos empresários.

A pega da tarde foi executada ao primeiro intento por João Restolho dos forcados académicos de Elvas.

A fechar a tarde Marcos Bastinhas lidou com valentia o bravo da ganadaria Santa Maria; andou confiado o cavaleiro Elvense; bem na brega, cravou ferros com batida ao piton contrário, um de palmo e com o público a pedir mais cravou dois bons pares de bandarilhas.

A última pega da tarde foi executada por Carlos Rodrigues dos forcados de Monsaraz que depois de brindar ao público se fechou com galhardia ao primeiro intento.

Todos os artistas escutaram música e todos deram volta de agradecimento; sendo também atribuída volta ao Ganadeiro no que encerrou a corrida; numa tarde em que os novilhos toiros da ganadaria de Santa Maria justos de apresentação colaboraram onde na verdade deveriam "ter pedido contas" aos artistas.

Publicidade
Publicidade

Últimas