“Se eu ficar com a praça [Campo Pequeno], será difícil de lá sair”, diz Luís Miguel Pombeiro na 2ª parte da grande entrevista (c/vídeo)

No próximo dia 11 de Julho a Praça de Touros de Estremoz, será o palco para a primeira corrida do pós-confinamento. Uma corrida de touros à portuguesa que será promovida pelo empresário Luís Miguel Pombeiro, que concedeu uma grande entrevista ao Toureio.pt.

Na 2ª parte da entrevista, Luís Miguel Pombeiro fala concretamente sobre a corrida de touros de Estremoz, começando por dizer que “temos um curro de touros muito bonito e um cartel com aqueles que quiseram participar e com aqueles que dão a cara em todas a alturas e com os forcados da região.”

Já sobre se está a ser complicado organizar esta corrida, Pombeiro afirma que “não é fácil, há sempre coisas que falham, eu não sou omnipotente e tenho sempre as minhas falhas”.

Quando questionado sobre o porquê de ser um cartel de seis cavaleiros, o empresário respondeu que é “para dar oportunidade às pessoas que queriam participar”.

Na passada semana algumas vozes levantaram-se sobre a contratação de um mexicano neste cartel, sendo que sobre isto Luis Miguel responde que “foi um cumprimento de palavra e o que falta muito às pessoas é a palavra”.

Nesta segunda parte da entrevista Luis Miguel Pombeiro explica ainda quais os procedimentos a ter se nos testes a realizar aos forcados for detectado um caso positivo.

Já sobre a palavra chave da corrida, “resistiremos”, Luís Miguel explica que “é um sinal de esperança e de união, porque nós temos de estar unidos para resistir a tudo”, acrescentando que “a nossa mentalidade vai ficar muito mais sã depois de começarmos a assistir a uma corrida de touros”.

Já sobre as corridas que este ano poderá ainda organizar, Pombeiro adianta que “haverá corrida no Cartaxo, em Arruda dos Vinhos, na Terrugem será feita nas datas tradicionais, na Azambuja, as praças continuarão a abrir desde que hajam condições”.

Logo no início do concurso do Campo Pequeno, Luis Miguel anunciou ser candidato, intenção que mantém, pois o “Campo pequeno é a única praça do país que pode dar corridas fora de data” e afirma que “se eu ficar com a praça, será difícil de lá sair”.

Nesta entrevista, o empresário deixa ainda uma palavra para os seus colegas que decidiram não dar corridas este ano, dizendo que “as pessoas que queriam corridas à porta fechada, agora era bom que dessem as corridas com público”.

Quando questionado se nunca colocou a hipótese de se candidatar à Presidência da Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos, Luís Pombeiro afirma que “não reúno as condições para ser presidente da APET, por exemplo não tenho paciência de santo”.

Veja de seguida a 2ª parte da entrevista a Luís Miguel Pombeiro: