Triunfo de Rouxinol Jr na Terrugem

A Empresa Toiros + decidiu encerrar a temporada na praça de toiros da Terrugem com um festival taurino a favor da Liga de Bombeiros Portugueses; como forma de homenagear os Soldados da Paz pelo ano difícil que tiveram. Ficou a homenagem, porque o lucro que reverteria a favor das famílias das vitimas certamente não chegou a acontecer, pois o público preencheu apenas um quarto de casa da castiça praça da Terrugem.

Rui Salvador brilhou na Terrugem pela sua garra e saber, um toureiro que deixa sempre tudo em praça e que persegue o triunfo de uma forma que encanta, ferros á Salvador onde o cavaleiro de Tomar esteve por cima do toiro, uma lide para aficcionados.

Farncisco Cortes desperdiçou um grande toiro que como todos os outros pertencia á ganadaria Alentejana de António Lampreia, pouco se viu do cavaleiro de Estremoz, um toiro que arrancava de todos os lados com uma alegria e bravura de bandeira.

Paulo Jorge Santos teve uma lide com altos e baixos a um toiro reservado, não pôde repetir o triunfo do dia anterior em São Manços.

Ao praticante Rui Guerra que actuava em casa, coube-lhe em “sorte” a “fava” da corrida, um manso perdido a que Rui teve que porfiar bastante para colocar a cravagem da ordem, mesmo assim o seu público ainda lhe pediu um ferro final a que Rui com a vontade de agradar ás suas gentes acedeu e resultou na perfeição, grande gesto de vontade e querer perante um toiro sem as mínimas condições de lide, fica também a nota positiva para a montada se saída que debutou neste dia  com grande nota.

O quinto, fazendo justiça ao ditado foi o toiro, a lide e a pega da tarde; o praticante Luis Rouxinol Jr que “saltou da cama” do hospital de Elvas depois de uma indisposição para vir triunfar; não podemos deixar de salientar que seu Pai já se tinha prontificado para tourear na sua vez. Rouxinol Jr mostra como já temos dito uma impressionante maneira de tourear para a sua condição de praticante: o conhecimento dos terrenos, a forma como brega, crava e remata os ferros, uma faena completa que encantou todo o público presente que lhe tributou os maiores aplausos da tarde.

Parreirita “Cigano” prestava na Terrugem prova para cavaleiro praticante; uma lide com pormenores; e á antiga, sempre com a mesma montada, mesmo depois do susto que apanhou a meio da lide sofrendo grande queda no centro da arena ficando por momentos debaixo da montada; foi impressionante como todos os colegas o tentaram salvar, e mais impressionante ainda a forma como Luis Rouxinol rabejou prontamente o toiro tirando-o da montada; também á umas semanas atrás na queda da Ana Rita se portou da mesma forma. Como dizia Carlos Grave antigo cabo de Santarém: “Ài de ti se tiveres uma amigo a precisar de ajuda e não fores o primeiro a chegar!” Definição que encaixa em Rouxinol na perfeição. Certamente que Parreirita passou na prova de praticante, que mais não fosse pela forma valente como depois do episódio relatado ainda cravou dois ferros de boa nota.

Seis Grupos de Forcados em praça, apenas João Saraiva do Aposento da Chamusca pegou á segunda tentativa, todas as outras pegas foram executadas á primeira tentativa e com brilhantismo por intermédio de João Oliveira do grupo do Ribatejo, Nuno Coxicho do Grupo e São Manços, José Carlos Carreiro de Grupo de Arronches,  pelos Académicos de Elvas Afonso Bulhão Martins executou a pega da tarde ao tal quinto, e fechou a tarde Rui Ferro do Grupo de Forcados do Redondo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*