“Vamos a uma corrida de touros porque vive-se ali movimento e experiências únicas, vivemos a verdade, ali não há filmes”, diz Pessoa de Carvalho ao falar do Dia da Tauromaquia (c/som)

O Salão Nobre da Praça de Touros do Campo Pequeno recebeu, esta quinta-feira (20 de Fevereiro) uma conferencia de imprensa para apresentação de todo o programa do Dia da Tauromaquia, que se realiza no dia 29 de Fevereiro.

Um acto que contou com a presença do Porta-Voz da Prótoiro, Hélder Milheiro, Nuno Pardal, Presidente da Associação Nacional de Toureiros, Paulo Pessoa de Carvalho, que ali representou o Presidente da Prótoiro, bem como os cavaleiros António Ribeiro Telles, Ana Batista e Luis Rouxinol Jr.

No final o Toureio.pt falou com Paulo Pessoa de Carvalho, da Prótoiro, que começou por explicar que “nós quisemos ter uma manifestação bastante mais ampla, mais eclética onde as pessoas consigam perceber que há muitas áreas e muitas actividades transversais à tauromaquia, que de alguma forma se colam com a pintura, a fotografia, a música, o teatro, os próprios trajes”, acrescentando ainda que “quisemos proporcionar às pessoas que têm uma ideia se calhar muito padronizada daquilo que é a Tauromaquia, que de facto isto é um mundo muito mais amplo, onde a festa convive com as mais inimagináveis tradições culturais portuguesas e portanto proporcionou-se esta ampla diversidade de acontecimentos para que as pessoas que aqui venham se surpreendam e vejam o que são as ramificações da Tauromaquia, onde ela chega, onde ela toca.”

Questionado sobre a forma de promover este evento, se de uma forma mais em jeito de “coitadinha” que a festa precisa de ajuda, ou se em forma de ser um evento que vai transmitir experiências e moções, Paulo Pessoa começou por afirmar que “é o Dia da Tauromaquia para ver experiências taurinas, ver vivências culturais”, dizendo depois que “coitadinha é claramente um adjectivo que eu não consigo nunca entender, porque a Tauromaquia não é de todo “coitadinha”, pois é de uma grandiosidade mesmo enorme, para mim ela é absoluta, os valores de vida, o respeito, a amizade, tudo aquilo que estamos cansados de falar e ouvir, mas de facto a Tauromaquia é enorme, eu diria que é uma actividade que nos marca”, salientando que “quem se cruza com a Tauromaquia tem marcas para a vida que não o deixam na sua actividade do dia a dia dissociar e acho que qualquer aficionado que um dia na sua vida tenha um problema, diz “vou enfrentar o touro de caras, vou assumir, vou-me fazer à vida e ser corajoso”, eu acho que a Tauromaquia é uma óptima referência para nós mostrarmos como devemos encarar os problemas da nossa vida, de frente, com coragem e lealdade.”

O também Presidente da Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos, é peremptório e diz que “neste dia vamos mostrar exactamente o contrário, que somos grandes, muito grandes e que os aficionados têm qualquer coisa dentro si mais do que ir ver um espectáculo, porque vamos a uma corrida de touros porque vive-se ali movimento e experiências únicas, vivemos a verdade, ali não há filmes, ali há verdade e é toda esta verdade e toda esta constante riqueza e enormidade de valores que a tauromaquia nos transmite que não nos permite ser pequeninos, nós somos enormes, muito grandes e no dia 29 espero que sejamos grandes em quantidade de pessoas.”

Questionado se os aficionados têm de sair deste Dia da Tauromaquia motivados para defender a Tauromaquia, Paulo Pessoa diz que “eu não quero criar aqui nenhum alarmismo à volta do dia 29, mas eu acho que tem de ser um dia para recarregar baterias, para nos sentirmos unidos e afirmarmos com toda a convicção, coragem e com toda a certeza do mundo que esta actividade não vai acabar, que estamos com a tauromaquia e que vamos fazer dela uma actividade mais forte e melhor.”