Vila Franca: Houve qualidade, na primeira da Feira de Outubro

A Praça de Touros Palha Blanco, em Vila Franca de Xira, recebeu este domingo a primeira corrida de touros da tradicional Feira de Outubro.

Depois de ontem aqui se ter realizado uma novilhada de promoção aos novos valores, este domingo foi prestada homenagem a José Júlio pelos 60 anos de alternativa enquanto matador de touros.

Antes da corrida, durante as cortesias, foi prestada homenagem a José Júlio através da presença do seu irmão Dario Venâncio e do sobrinho David Antunes. O matador de touros não pôde marcar presença devido a motivos de saúde.

O cartel foi composto pelos cavaleiros Luís Rouxinol e Luís Rouxinol Jr., os matadores Nuno Casquinha e Manuel Dias Gomes, e os Forcados Amadores de Vila Franca de Xira. Os touros foram pertencentes da ganadaria Palha.

A tarde abriu com uma lide a duo, por Luís Rouxinol e Luís Rouxinol Jr. frente a um touro da ganadaria Palha. Extraordinária sorte de gaiola, bem, executada por Rouxinol Jr. com o seu pai a aproveitar e também a cravar outro comprido de seguida (ao quite) e aguentando bem a investida do touro no remate da sorte. Público vilafranquense a reagir com fortes aplausos. Cravaram mais um comprido cada mas o touro num embate contra a trincheira partiu um dos ‘pitons‘ a foi mandado recolher pelo director de corrida. Ficou estampada a frustração na cara de Luís Rouxinol, após uma curta lide, que tinha sido brindada aos irmão e sobrinho de José Júlio.

Após montagem dos burladeros, Nuno Casquinha desenvolveu a primeira actuação de toureio a pé desta tarde agradável mas ventosa. Após receber o oponente,no capote, por verónicas, bandarilhou com mérito três bons pares. Na muleta teve de abreviar após forte colhida por parte de um touro que demonstrou sempre investida pouco franca. Recolheu à enfermaria no final da faena.

Manuel Dias Gomes com faena interessante ao terceiro touro da tarde. No capote recebeu com verónicas (com as quais se destacou) mas foi na muleta que sacou os méritos do seu oponente que tinha investida curta e brusca. O matador esteve superior com passes pelos dois pitons e com a habitual classe, sem pressa, sem exageros. Excelente tercio de bandarilhas por João Ferreira e João Martins que saudaram o efusivo e conhecedor público vilafranquense de ‘montera‘ em mão. O matador português deu volta de agradecimento.

Luís Rouxinol com tarde ingrata em Vila Franca de Xira. Três curtos de nível positivo e uma série de curtos em que apostou em sortes frontais, com ligeira abertura de quarteio e tentando cravar como mandam as regras, nem sempre o conseguindo, e com dois ferros de qualidade assinalável. Um touro com investida alegre, pujante e ao jeito do toureio de Rouxinol. A lide terminou abruptamente após o touro escorregar e ficar coxo, sendo determinada, pelo director de corrida, a sua retirada da arena. Volta de agradecimento, merecidamente, autorizada a Luís Rouxinol pelo director de corrida.

Luís Rouxinol Jr. teve por diante touro com 515 Kg, com investida, largo de córnea e que permitiu lide de grande qualidade ao mais novo do clã Rouxinol. A tourear, na mais real acepção da palavra, destaca-se um toureio de verdade e com permanente busca de emoção e através disso a ligação ao público. Quatro bons curtos, são o grande destaque, na lide que terminou com par de bandarilhas e palmito. Pela primeira, e única, vez esta tarde, pegou o grupo de Forcados Amadores de Vila Franca de Xira à segunda tentativa, tendo ido à cara o forcado João Luz. Volta de agradecimento autorizada a cavaleiro e forcado.

Nuno Casquinha regressou à arena da sua Palha Blanco para enfrentar o segundo touro do seu lote, o sexto da corrida. Com visível expressão de dor, Casquinha recebeu por verónicas no capote, tercio no qual esteve curto. Por estar interiorizado, delegou o tercio de bandarilhas nos seus bandarilheiros que cumpriram com acerto. Na muleta esteve mandão e, embora as dores, com sede de triunfo. Séries por ambos os pitons, aproveitando a investida do touro e um poderio extraordinário perante as dores e os obstáculos do oponente. Duas voltas à arena, em agradecimento.

Manuel Dias Gomes fechou a corrida com uma faena, provavelmente, não muito valorizada pelo público. O que fez foi com qualidade, cadência, classe e arte. Touro com investida mas, condições de lide e que permitiu ao toureiro séries por ambos os pitons. Destaque também para o tercio de capote, bem executado, assim como o de bandarilhas. Manuel Dias Gomes não é um toureiro efusivo e de gancho com a bancada, mas é um fiel representante do toureio-arte que deve ser acarinhado e valorizado.

Registaram-se três quartos da lotação preenchidos.

Corrida dirigida por Ricardo Dias, assessorado por José Manuel Lourenço.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*